Educadores do Programa Jovens Urbanos ampliam repertório a partir de cinema e debate

Profissionais de juventude e educação refletem sobre a importância do uso do cinema no processo educativo, durante mostra do filme Bicho de Sete Cabeças, seguida de debate com a diretora Laís Bodanzky

 

Escrito por Fabíola Munhoz

 

O Programa Jovens Urbanos, em parceria com o Centro Ruth Cardoso, organiza uma série de sessões de cinema, com o intuito de discutir temáticas pertinentes ao universo dos jovens, de modo a ampliar o repertório de profissionais das áreas de juventude e educação, e também contribuir com o trabalho socioeducativo com os jovens.

O primeiro desses encontros, que teve a mostra do filme Bicho de Sete Cabeças e a presença da diretora Laís Bodanzky, contou com a participação de 22 profissionais das áreas de juventude e educação, em sua maioria educadores do Programa Jovens Urbanos. Na ocasião, alguns desses profissionais, que já estão habituados a utilizar o cine-debate como metodologia de ensino, avaliaram a proposta das sessões de cinema e discussão, que fazem parte da formação continuada do Programa Jovens Urbanos, e deram dicas de filmes que podem ser utilizados para despertar o debate e a reflexão da juventude sobre temáticas relevantes.    

“O cinema sempre foi uma ferramenta importante para a educação. No Programa Jovens Urbanos, a gente costuma usar filmes, sempre com essa metodologia de passar o filme e discutir uma temática. Mas, é lógico que você ter quem dirigiu a obra é algo ainda mais interessante e enriquece muito o nosso repertório em relação à obra”. (Magno de Oliveira Duarte, educador do Programa Jovens Urbanos, no distrito de cidade Ademar, Jardim Miriam)

“Nós tentamos passar para os jovens o olhar crítico quanto às obras que apresentamos a eles. A oportunidade de estar aqui, enquanto educador, discutir com quem desenvolveu o filme, saber como foi feito, qual era a proposta, favorece nosso olhar e também favorece que a gente apresente a obra para o jovem de outra forma, tanto pela parte crítica e social presente no filme, quanto pela parte técnica que está relacionada à geração de emprego e a possibilidades artísticas”. (Leandro Bastos de Andrade, educador do Programa Jovens Urbanos que atua no Jardim Ângela)

“Para o programa, e para a educação, acho fundamental usar o cinema com o objetivo de colocar alguns temas em debate. O cinema ilustra de outra forma, e sensibiliza. A partir do momento em que você ilustra um tema com alguma obra de arte, seja o cinema, seja a música, e sensibiliza o jovem, ele fica mais aberto para a reflexão”. (Vandei Oliveira, consultor pedagógico do Programa Jovens urbanos).

Veja abaixo filmes sugeridos pelos educadores para realização de cine-debates com os jovens:

Escritores da Liberdade

“É um filme interessante para trabalhar a questão de como lidar
com a diferença, com a aceitação do outro e também despertar
o jovem para escrever. A linguagem é bacana, e o filme
incentiva e surpreende”, afirma Vandei Oliveira.

As Melhores Coisas do Mundo

Ouça comentário de Leandro Bastos Oliveira, sobre o filme:

A Ponte

Ouça comentário de Magno de Oliveira Duarte, que sugeriu o filme.

 

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)