Notícias - Thais Iervolino - Educação&Participação

Adolescentes e jovens refletem sobre diversidades e direitos durante encontro em Belo Horizonte (MG)

Transexualidade, raça, acessibilidade e democracia na educação estão entre os temas debatidos no evento

 

“Vocês já repararam que quanto maior o cargo de um funcionário de uma escola, mais distante ele está dos elementos fundamentais, que são os alunos? Eles [cargos diretivos de uma escola] não querem contato com a gente. Sabemos que há uma lei que garante, desde a década de 1980, a existência de grêmios estudantis nas escolas, mas isso não é efetivamente garantido: na minha escola, eu fui a única a participar de uma reunião que tratava das questões e, quando fui defender uma educação democrática, não fui ouvida por nenhum integrante do setor diretivo!”. Assim relatou uma das participantes do Encontro Nacional de Redes de Adolescentes e Jovens, que, nos dias 25 e 26 de abril, reuniu em Belo Horizonte (MG) adolescentes e jovens de diferentes partes do Brasil para organizar suas agendas, reivindicações e contribuições a serem discutidas durante o Seminário Internacional sobre Inclusão de Adolescentes e Jovens no Ensino Médio.

O encontro reuniu representantes de movimentos e coletivos como:  Rede Nacional da Juventude Negra; Rede de Adolescentes Vivendo e Convivendo com HIV; Rede da Juventude Indígena; Juventude Unida pela Vida na Amazônia; Rede de Adolescentes do Semiárido, Rede de Adolescentes das Comunidades Populares do Centros Urbanos, Adolescentes e Jovens LGBT; Grupo de Empoderamento de Meninas; Rede de Adolescentes pelo Esporte Seguro e Inclusivo; e movimento estudantil secundarista. Assista ao nosso vídeo exclusivo:

 

A voz dos jovens

Todos esses adolescentes e jovens trouxeram para a discussão a diversidade das realidades e desafios que os adolescentes e jovens enfrentam hoje em dia.

“Tem gente que estudou comigo e, hoje em dia, está no tráfico. Vejo que a escola não está aberta para o que acontece ao seu redor: temos que juntar a comunidade e a escola, e isso não acontece. Há o Programa Jovem Aprendiz e eu nunca vi um LGBT [NR: sigla para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais] nesse programa. Tem muito LGBT que morre e ninguém sabe, porque eles são invisibilizados. A escola deveria ver toda a comunidade… Mas não vê: ela se fecha”, relatou Maura, 16 anos, da APCU – Plataforma dos Direitos Humanos, de São Paulo (SP).

“Não temos educação de qualidade. Sem estudo, não somos nada. Ao mesmo tempo que temos que refletir sobre os princípios básicos da democracia, o sistema educacional não nos dá voz. A Base Curricular está sendo discutida e não podemos participar diretamente dessa discussão”, relata José Otávio Pantoja de Azevedo, do movimento Enegrecer, de Macapá (AP).

“Esse encontro é de extrema importância para nos reconhecermos. Na minha comunidade, quase tão temos professores. Temos apenas uma professora que mora em Cabrália, outra comunidade, e não conhece a nossa cultura”, conta Luís, conhecido por Seratã Pataxó, da etnia indígena Pataxó que vive em Porto Seguro (BA).

De acordo com Leiliane Lins, da rede Nuca – Núcleo de Cidadania dos Adolescentes de Pernambuco, o evento propiciou a troca de experiências e reflexões entre os participantes: “Aceitei porque eu acho mais do que certo e mais do que importante a troca de conhecimentos acontecer. É importante que os jovens ouçam o que a gente quer e vice-versa. Eles têm um conhecimento, e o ideal é que houvesse mais encontros como este”, conta.

 

O encontro em imagens

Confira as fotos do Encontro na galeria do Flickr (clique na imagem):

Encontro Nacional de Redes de Adolescentes e Jovens - 26/04/2016

 

Seminário Internacional

O encontro com os adolescentes e jovens precedeu ao Seminário Internacional sobre Inclusão de Adolescentes e Jovens no Ensino Médio, que aconteceu entre os dias 27 e 28 de abril para apresentar propostas aos governos municipais, estaduais e federal e contou com cobertura e transmissão online pela plataforma Educação&Participação.

O Seminário se propôs a construir um espaço de diálogo, aprofundamento, intercâmbio de experiências e análise de políticas voltadas à inclusão escolar de adolescentes e jovens.

Entre os objetivos do encontro, estão:

  • Identificar, analisar e desenvolver propostas de metodologias, programas e políticas de inclusão de adolescentes no Ensino Médio;
  • Promover um intercâmbio de experiências nacionais e internacionais de práticas educativas que favorecem a inclusão escolar de adolescentes no Ensino Médio;
  • Oferecer espaços de diálogo entre adolescentes, jovens, professores, gestores de políticas educacionais e pesquisadores para identificar temas críticos e propostas de inclusão escolar;
  • Debater a Base Nacional Comum Curricular no contexto do Plano Nacional de Educação (PNE) e apresentar contribuições a ela.

 

Tagsacessibilidade, adolescentes, cidade educadora, direitos das crianças e adolescentes, educação integral, ensino médio, escola pública, jovens, juventude, mobilizacao

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)