Notícias - Thais Iervolino - Prêmio Itaú-Unicef

Encontro: o esporte nos humaniza e a escola tem o papel fundamental de promovê-lo

Evento realizado em parceria com a Fundação Gol de Letra, o Prêmio Itaú-Unicef e o Sesc São Paulo debate sobre a importância da educação e do esporte na promoção do desenvolvimento humano

Qual a importância do esporte no desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens? Qual é o papel da escola no fortalecimento da prática esportiva? O que representa o esporte para além de competições de alto nível?
Para refletir sobre essas e outras questões sobre o esporte e a educação integral, foi realizado dia 18 de novembro, em São Paulo (SP), o Encontro: esporte e educação integral, um evento organizado pela Fundação Gol de Letra, o Prêmio Itaú-Unicef e o Serviço Social do Comércio (Sesc).

Um dos palestrantes foi Luiz Dantas, professor da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE-USP), que falou sobre o conceito de Escola Ativa. “A Escola Ativa vem do campo médico, da Organização Mundial da Saúde, que está preocupada em prevenir doenças. Como é na escola onde estão quase 100% das crianças e jovens, a OMS olhou para isso. A Escola Ativa é aquela que permite que as pessoas se movimentem nela, que as crianças se balancem nas cadeiras, onde as aulas podem ser interrompidas para que a criança possa se espreguiçar”, conta.


“Há 150 mil anos, os seres humanos caminhavam de 12 a 16 km por dia. O movimento é a nossa condição básica, estrutural, e a escola deve aceitar o fato de que somos seres que se movem.” (Luiz Dantas)


 

img3
Rejane Galante, do Sesc-SP, faz sua apresentação durante encontro

Para ele, o movimento é uma condição estrutural humana. “Há 150 mil anos, os seres humanos caminhavam de 12 a 16 km por dia. O movimento é a nossa condição básica, estrutural, e a escola deve aceitar o fato de que somos seres que se movem. Dessa forma, a história nos mostra que o esporte é importante para a formação como pessoa. Praticar esporte nos humaniza e a escola tem o papel de apresentar essa tradição humana”, disse.

Também esteve presente no evento Osvaldo Luiz Ferraz, professor da EEFE-USP. Para ele, as escolas deveriam propor uma educação para além da transmissão de conhecimento. “É preciso pensar em uma investigação e articulação do esporte com outras áreas”, contou.


“A história nos mostra que o esporte é importante para a formação como pessoa. Praticar esporte nos humaniza e a escola tem o papel de apresentar essa tradição humana.” (Luiz Dantas)


Para Regiane Galante, da Gerência de Desenvolvimento Físico-Esportivo do Sesc São Paulo, “o esporte é um direito humano e deve ser entendido como uma prática humanizadora, para além de eventos como a Olimpíada. A educação se dá nas relações e não há como se ter esporte sem interação, por isso, o esporte de participação propicia a educação integral. Temos que acreditar no potencial educativo do esporte”, explicou.


“Não devemos levar o esporte como algo pronto e acabado, mas deixar que a criança ressignifique o esporte também.” (Fabio Luiz D’Angelo)


Na segunda parte do encontro, foram apresentados alguns vídeos de pais, crianças e professores, que falaram sobre a importância do esporte em sua vida. Os vídeos foram comentados por Fabio Luiz D’Angelo, coordenador pedagógico do Instituto Esporte & Educação. “Esses vídeos mostram que o esporte mobiliza para a transformação, a motivação e a superação. Por isso, não devemos levar o esporte como algo pronto e acabado, mas deixar que a criança ressignifique o esporte também”, afirmou.

educaçaoeesporte2
Público presente no encontro, realizado em um dos auditórios do Sesc Vila Mariana, em São Paulo (SP).

Raí Souza Vieira de Oliveira, ex-jogador de futebol e presidente da organização Gol de Letra, também esteve presente no encontro. Ele ressaltou a importância dos eventos esportivos. “Quero ressaltar o legado deixado pela Olimpíada. Muito mais do que estádios de futebol e outros equipamentos esportivos, esse megaevento mostrou a importância do esporte para o desenvolvimento humano e fez com que a sociedade defendesse, por exemplo, a permanência do esporte na grade curricular do Ensino Médio”, diz.

O encontro também contou com a presença de Nazira Arbache e Mariana Cetra, do Prêmio Itaú-Unicef, que fizeram a mediação e a apresentação do evento, respectivamente.

Assista ao vídeo sobre o encontro

Tagsdesenvolvimento humano, educação, escola, esporte, olimpíadas, organização

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 1 comentário(s)

  •    isabel maria magalhães freitas  em 
         Prêmio respondeu em