Falta de acesso à educação compromete futuro da juventude no mundo

Eles representam hoje mais de um quarto da população global. Com 1,8 bilhão de pessoas, o mundo nunca teve tantos jovens, mas, segundo um levantamento inédito a ser divulgado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), que traz esses números, eles também são, em grande parte, “esquecidos” pelas políticas públicas.

Mais de 500 milhões desse total vivem, por exemplo, abaixo da linha da pobreza, recebendo menos de US$ 2 por dia – e a impressionante marca de 60% não tem acesso à educação e, portanto, ao mercado de trabalho.

Para o UNFPA, além de iniciativas estratégicas, como saúde, empoderamento feminino e combate à discriminação, a educação de qualidade deve ser a prioridade de países ricos e pobres nos próximos 15 anos.

Isso fala diretamente ao Brasil, que, com 51 milhões de pessoas, ocupa a sétima colocação entre os países com o maior número de jovens. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) demonstram que, em 2011, 62,2% dos jovens de 18 a 24 anos encontravam-se fora da escola no Brasil. O Censo Escolar do mesmo ano mostra um aumento de 13,1% na taxa de reprovação do Ensino Médio, frequentado majoritariamente por jovens.

Juventude e educação integral

No País, atualmente apenas 34,7% das escolas públicas de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio oferecem matrículas em tempo integral. A meta do Plano Nacional de Educação (PNE) é estimular a educação integral, ampliando essa oferta para 50% até 2024, de modo que sejam atendidos pelo menos 25% dos alunos da educação básica – formada por Ensino Fundamental e Ensino Médio.

Com o intuito de trabalhar com as juventudes na perspectiva da educação integral, a Fundação Itaú Social, sob coordenação técnica do Cenpec, criou o Programa Jovens Urbanos, que desde 2004 busca ampliar o repertório sociocultural dos jovens. Para isso, a iniciativa desenvolve, implementa e compartilha tecnologias que promovem, para as juventudes, processos de formação ampliada, geração de oportunidades e inserção produtiva.

 

 Saiba mais sobre o relatório do UNFPA (fonte: Todos pela Educação)

 

 Saiba mais sobre as metas do PNE

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)