Notícias - PRISCILA PACHECO - Jovens Urbanos

Fórum da Juventude de São Miguel Paulista deve ser retomado em 2018

O Fórum tem como objetivo incentivar a participação do jovem na vida pública

Um encontro para começar a reestruturação do Fórum da Juventude de São Miguel Paulista, na zona leste, reuniu mais de 20 jovens na manhã do dia 28 de novembro. Viviane Soranso conta que, em 2015, a Fundação Tide Setubal, instituição na qual é assistente de projetos, e o Instituto Marista fizeram uma parceria com a área de Juventudes da prefeitura regional de São Miguel Paulista. Assim, nasceu o Fórum, que tinha o intuito de estimular jovens a pensar sobre o território onde vivem e sobre as problemáticas que os envolvem. “Fazíamos encontros nas instituições para discutir algumas temáticas. E a gente organizava e levava para o encontro na subprefeitura [prefeitura regional] de São Miguel”, explicou Viviane.

Roberto Lucas, assistente de pastoral no Instituto Marista, lembra que, além de refletir sobre o bairro que desejavam ter, os jovens debatiam a respeito de temas como a maioridade penal. Agora, a tentativa é retomar o Fórum em companhia do Projeto Cultural Educacional Novo Pantanal (Procedu) e com o apoio do Programa Jovens Urbanos, uma iniciativa da Fundação Itaú Social, com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). Todavia, já existe um diferencial na reconstrução: o trabalho de escuta.

O Centro Social Marista (Irmão Lourenço, Irmão Justino, Senac e PJM), a EE Prof. Pedro Moreira Matos, o CCA Procedu, o Galpão de Cultura e Cidadania e o Ponto de Leitura Jardim Lapenna foram os lugares onde 215 jovens da região foram ouvidos. Na ocasião, surgiram diversos tópicos, por exemplo, preconceito, drogas, racismo, direito à cidade, sexualidade, política e desigualdade social.

Jovens debatem propostas durante reunião do Fórum de Juventude de São Miguel Paulista

O encontro foi organizado para pensar em como começar as atividades em 2018 e compreender melhor o que foi dito na escuta. “A gente percebeu que as temáticas estavam muito amplas. Vamos falar sobre política, mas o que exatamente sobre política? Então, hoje a ideia é conseguir ter um panorama melhor do que realmente querem conversar”, disse Mauricélia Martins Castão, assistente técnica no Procedu.

Com a mediação de Marcia Trezza e Ana Carolina Carvalho, consultoras do Cenpec, os jovens se reuniram em rodas de histórias divididas em temas centrais: sexualidade, preconceito, racismo, drogas e desigualdade social. O objetivo era compartilhar, de acordo com o tópico escolhido, histórias próprias ou de pessoas próximas para identificar subtemas. Além de refletir sobre o que gostariam de mudar, a proposta era que eles pudessem identificar o que precisam compreender melhor e as ações que pretendem colocar em prática.

Lucas Rodrigues da Silva estava no grupo que falou sobre preconceito. O rapaz, de 15 anos de idade, contou sobre a situação que vivenciou por ser umbandista, e disse estar muito animado com a atividade. “Eu acho muito bacana um monte de gente se interessando pela sociedade. Se a gente tiver apoio de uma pessoa, conseguimos fazer muito. Vai dar certo e vamos fazer a diferença”, completou.

Viviane Soranso, que acompanhou os interessados em falar sobre racismo, também viu empolgação na turma. “Achei que eles estão muito mobilizados, bem dispostos. E o grupo que eu acompanhei estava muito apropriado das histórias, porque vivenciam na pele. O racismo não é uma temática longe deles. É uma temática que fala sobre eles”, comentou

O próximo passo é voltar a reunir os interessados em março e construir um plano de ação em conjunto. Roberto Lucas compartilhou que a sua maior expectativa é que consigam ter realmente um espaço para as juventudes, porque “tem muito adulto falando no meio desses jovens”. “O que eu quero mesmo é que possam ter um olhar para além de si próprio para ter uma dimensão do bem comum, da sociedade. Entender que as situações não são algo determinista, ‘Deus quis assim’. Quando acreditamos nisso, esquecemos que há dimensão social, falta de acesso, falta de políticas públicas”, finalizou.

Galeria de imagens

Reunião Fórum de Juventude de São Miguel Paulista

Tags2018, fórum da Juventude de São Miguel Paulista, fundação tide setúbal, jovens, juventudes, plano de ação

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)