Notícias - Danielle Próspero - Jovens Urbanos

Jovens apresentam os resultados de suas ações de intervenção social na Feira de Projetos

O espaço do Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes virou um verdadeiro palco de expressão jovem no dia 9 de dezembro, repleto de música, apresentações teatrais, grafite e exposições. Nesse dia foi promovida a Feira de Projetos do Programa Jovens Urbanos, um momento no qual os jovens têm a oportunidade de apresentar para colegas, assessores, familiares, moradores do bairro e parceiros o resultado dos 17 projetos de intervenção social que estão desenvolvendo no território de Cidade Tiradentes, zona leste da cidade de São Paulo.

“A feira é um momento de finalização de todo o ciclo de formação do programa. A proposta é justamente dar visibilidade a tudo o que os jovens elaboraram e produziram ao longo do ano, além de permitir que conheçam os demais projetos e comecem a pensar e fazer conexões para darem continuidade às suas ações”, destaca Maria Brant, técnica do Programa Jovens Urbanos.

4j6a8170
Fotografias do projeto Olhares Divergentes, exposto na Feira de Projetos. Foto: Chris Bernardes.

Logo na entrada do espaço, o público foi convidado a conferir de perto as produções do projeto Olhares Divergentes, em uma exposição fotográfica com várias imagens do território, destacando a importância da força das mulheres, do respeito, da união e da ancestralidade, tão presente no cotidiano do território.

Para abrir as atividades da Feira de Projetos, o grupo (In)Cotidiano, por meio de uma esquete teatral, propôs uma reflexão sobre questões como a intolerância ao diferente, a opressão às mulheres, a homofobia e tantas outras situações que são vivenciadas diariamente pelos jovens em várias famílias.

O tema, inclusive, permeou vários outros projetos dessa edição do programa, como o Vale dxs Oprimidxs, que provocou momentos de silêncio total e também de euforia entre os espectadores que assistiram à intervenção, expondo a convivência, os conflitos e as mazelas de quatro personagens dentro de um vagão de trem.

As paredes do Centro Cultural também foram ocupadas com quadros com várias fotografias produzidas em duas escolas do bairro pelo grupo O Outro Lado do Preconceito. A proposta foi levar os jovens a observar o preconceito existente nesses espaços e a importância de ter uma nova atitude: “A diferença nos define”, dizia a foto da jovem Beatriz Alves. Para provocar ainda mais reflexão, o grupo espalhou também na exposição diversos espelhos, convidando as pessoas a se observar, com frases como: “Seja você”, “Aceite-se” e “Quem é você?”.

“Foi uma experiência muito boa quando fizemos a exposição na escola, pois muitos alunos querem que o preconceito acabe, mas não percebiam que eles mesmos agiam de forma preconceituosa. Agora, eles sabem o que é e que isso não é bom. Foi muito interessante”, comentou Josué José de Oliveira, 13 anos, participante do grupo, durante a apresentação.

Outras temáticas do território também vieram à tona nos projetos dos jovens, como o abandono e os maus-tratos a animais em Cidade Tiradentes, foco de atuação do grupo SOS Animais. Em parceria com o grupo Eco Praça e a partir da articulação de vários voluntários, os jovens estão instalando em duas praças do bairro bebedouros e comedouros – feitos com materiais recicláveis – para que os animais possam ser alimentados no local.

Laís Silveira Medeiros, que foi assessora do SOS Animais, ressaltou os diversos aprendizados que os jovens tiveram no processo de elaboração do projeto, como saber planejar, lidar com imprevistos e achar soluções para um problema local. “Eles não paralisaram quando as dificuldades apareceram. E se envolveram muito no projeto, conseguindo engajar as pessoas. Isso é aprendizado para toda a vida”, destacou.

Claudio Pavão, educador do programa, destacou ainda as potencialidades que muitos jovens descobriram em si durante a construção e a implementação dos projetos em áreas que nem imaginavam e que essa identificação poderá abrir novas portas e oportunidades. “Muitos destacaram em nossa avaliação que não tinham o hábito de sonhar e que, pelo programa, eles têm a possibilidade de sonhar e também de realizar o que sonhou. Isso é motivador”.

Conexões

4j6a8209
Jovens apresentam o projeto Eco Praça durante as atividades da Feira de Projetos. Foto: Chris Bernardes.

Durante a Feira de Projetos, os jovens tiveram a oportunidade também de ver que não estão sozinhos nessa empreitada e que há muitos outros jovens também falando sobre questões que enfrentam no dia a dia.

A jovem Rute de Freitas, 15 anos, participante do projeto Eco Praça, adorou a proposta da feira e diz que foi ótimo para ter outras ideias, suscitadas com a apresentação dos demais grupos. “É todo mundo junto, com o mesmo objetivo, que é o de transformar o nosso território. Não é só o que a mídia fala sobre nós, mas o que nós queremos fazer de melhor para a nossa comunidade”, destacou.

O público presente na atividade também se encantou com o que viu e vivenciou durante toda a tarde. Lucicleide Melo da Silva, mãe da jovem Isabel Vitória, diz que entre os principais aprendizados da filha está o fato de ela perceber que pode ser ela mesma. “Ela gosta demais e eu fico muito feliz com isso. Tenho certeza que vai abrir muito mais espaço para ela aprender ainda mais”, diz.

Tagscidade tirandentes, feira de projetos, fotografia, jovens

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado.