Notícias - Vanessa Nicolav - Educação&Participação

Juventude, educação e participação política

No dia 30 de maio de 2013, o governo do Estado e do município de São Paulo anunciaram o aumento das tarifas de ônibus, trem e metrô, de 3 para 3,20 reais. Na semana seguinte, em  6 de junho, foi convocada a primeira manifestação contra o aumento da passagem. Centenas de pessoas ocuparam as ruas e iniciaram uma onda de protestos pelo país, que se estendeu por todo o mês e também pelos anos subsequentes, impactando de forma sem precedente a história do país.

Organizados pelo Movimento Passe Livre (MPL), coletivo criado em 2005 no contexto do Fórum Mundial Social em Porto Alegre (RS) e presente hoje em todas as regiões do Brasil, as manifestações de junho foram protagonizadas principalmente por jovens, na maioria estudantes, que se identificaram com a pauta que denunciava a precariedade do transporte público e defendia a bandeira da tarifa zero (que  reivindica a gratuidade do transporte público para todos).

Após as manifestações contra o aumento da tarifa, que teve fim em São Paulo no dia 19 de junho com o anúncio da revogação do aumento, os protestos continuaram e as reivindicações se diversificaram. A pauta única se dissolveu, mas o cenário de politização estava dado. No que tange à mobilização jovem, nos anos seguintes viu-se um crescendo de iniciativas que reivindicavam mais participação política e representatividade jovem. O movimento da ocupação das escolas por estudantes secundaristas contrários à reorganização escolar, o movimento feminista, os saraus de poesia e as pautas do movimento antirracista são alguns exemplos de movimentos que surgiram com muita força após as manifestações de junho.

Pedro Fernandes e Isabela Alves tinham respectivamente 14 e 16 anos durante as mobilizações de junho de 2013 e sentiram o impacto que esse fenômeno causou no país. Ambos também encarnam a visão e os desejos trazidos pela onda de participação política em âmbito nacional. Conversamos com os dois – ela, ex-estudante de escola privada, ele de escola pública – sobre o que o período de mobilização significou para a formação pessoal deles como sujeitos, estudantes e cidadãos. Na entrevista (a seguir), eles compartilham suas memórias, aprendizados marcantes e o que desejam para a educação e para o futuro do país.

Confira a entrevista em vídeo.

A plataforma Educação&Participação tem em seu acervo uma série de oficinas voltadas à temática da participação jovem. Esse material pode ser utilizado por professores e educadores interessados em mobilizar a discussão em seus espaços educativos. Confira algumas das oficinas abaixo:

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)