Notícias - João Marinho - Políticas de Educação Integral

Salvador apresenta Plano de Educação Integral em seminário

Realizado no dia 27 de outubro, o evento contou com a participação de Jaqueline Moll, Cláudia Galian, Ocimar Alavarse e representantes de mais de 20 municípios e da rede estadual

“A educação integral não se confunde com a educação em tempo integral, pois pressupõe uma ampliação do escopo curricular que abarque elementos e conteúdos que foram negligenciados ou desconsiderados no processo de escolarização […]; porém, o desenvolvimento de um currículo nesses moldes exige a ampliação do tempo escolar que, quando atingindo a marca de 7 horas diárias, convencionou-se denominar de educação em tempo integral.” Esse excerto compõe a parte conceitual do Plano de Educação Integral de Salvador – parte esta que, no dia 27 de outubro, foi apresentada durante o Seminário de Educação Integral da capital baiana, ocorrido no Hotel Sol Bahia, no bairro de Patamares.

Realizado em parceria com a Secretaria da Educação do município, o Seminário de Educação Integral contou com um público aproximado de 350 pessoas de mais de 20 redes de ensino municipais, afora a rede estadual, e foi uma das etapas com maior público do processo de Assessoria de Políticas de Educação Integral em Salvador, uma iniciativa da Fundação Itaú Social com coordenação técnica do Cenpec. O clímax do evento se deu na apresentação do Plano.

Em fase conclusiva para 2015, o Plano de Educação Integral de Salvador é constituído por duas partes. A primeira, apresentada por Ocimar Munhoz Alavarse, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE/USP), se refere a fundamentos da educação integral. Definição de educação integral e educação em tempo integral e desafios curriculares, como citados no excerto acima, além das diferenças entre educação e educação escolar, projeto político-pedagógico (PPP), território, avaliação, gestão democrática, diagnóstico do ensino e formação de professores, educadores e gestores foram temas abordados ao longo da apresentação. A segunda parte do Plano diz respeito às estratégias de implementação em si.

Currículo integrado
Em Salvador, a proposta de Matriz Curricular agrupa a Base Nacional em quatro áreas de conhecimento: Linguagens, Ciências Exatas, Ciências da Natureza e Ciências Humanas, além do Ensino Religioso. A Parte Diversificada é agrupada em cinco eixos: Acompanhamento Pedagógico; Comunicação, Ciências e Tecnologia; Práticas Esportivas; Artes; e Educação Cidadã. O objetivo, entretanto, é que a Matriz seja trabalhada em conjunto, de maneira articulada entre os diferentes saberes. “O traço mais saliente desse conjunto de atividades, em seu desenvolvimento curricular, é a preocupação, que deve estar presente em cada escola, com a articulação das mesmas, pois não se trata de uma justaposição mecânica de ações”, diz o Plano.

“Havia dois objetivos no seminário. O primeiro era a própria discussão sobre a educação integral, que é um debate em curso. O segundo era discutir a proposta de Salvador. Para isso, foram convidados representantes não apenas da rede do próprio município, mas também dos municípios do entorno”, conta Ocimar Alavarse, que tem contribuído para a implementação da política de educação integral na capital baiana e realizou a apresentação do Plano em uma mesa formada por Jaqueline Moll, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e ex-diretora de Currículos e Educação Integral da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC); e Cláudia Valentina Assumpção Galian, doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

“Em dezembro, vamos entregar um Plano escrito de comum acordo com a equipe da Secretaria Municipal da Educação de Salvador (SMED) e com a rede municipal de ensino, cuja parte conceitual foi apresentada e referendada no Seminário de Educação Integral”, conta Solange Feitoza, do Núcleo de Educação Integral do Cenpec.

Assessoria
Em entrevista à plataforma Educação&Participação, Ocimar e Solange falaram um pouco mais sobre o que aconteceu no Seminário de Educação Integral de Salvador, sobre a assessoria na capital baiana ao longo de 2015 e sobre o Plano de Educação Integral do município. Confira aqui.

 

> Ocimar Alavarse, Débora Marreiro e Maria Amábile Mansutti participaram do debate virtual sobre avaliação na educação integral. Saiba mais.

> Alavarse também falou de sua contribuição em Salvador ao portal do Cenpec. Saiba mais.

Tagseducação integral, plano, plano de ação, políticas de educação integral, políticas públicas, salvador

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)