Notícias - João Marinho - Políticas de Educação Integral

Políticas de Educação Integral conclui assessorias a municípios com seminários sobre o tema

Na reta final de 2015, as assessorias de educação integral a municípios brasileiros, iniciativa da Fundação Itaú Social sob coordenação técnica do Cenpec, encerram suas ações com a realização de seminários, que debatem, com as redes e convidados, fundamentos e estratégias referentes ao conceito de educação integral e aos Planos construídos em parceria com as secretarias de Educação e outros agentes, sob a perspectiva da participação.

Foram realizados encontros nos municípios de Itabira (MG), Petrópolis (RJ), Porto Alegre (RS), Mogi Mirim (SP), Vitória (ES), Sobral (CE) e Salvador (BA). Veja como foram os seminários e os destaques das assessorias nos diferentes municípios.

 

Sobral (CE)

Quando aconteceu o seminário: 27/11/2015

Onde: Auditório do Paço Municipal

Convidado especial: Osvaldo Gonçalves Júnior, da área de Políticas Públicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

A discussão do seminário em Sobral, que contou com cerca de 130 participantes, se deu com base no conceito de cidade educadora e no consequente desafio da intersetorialidade.

“Saímos do ‘guarda-chuva’ da Secretaria da Educação para a cidade. Nossas reflexões tratam das oportunidades e dos desafios da intersetorialidade como uma das diretrizes na construção do Plano Municipal de Políticas Públicas na perspectiva da cidade educadora. No seminário, o destaque ficou para os desafios da implementação  de políticas intersetoriais: como articular e estabelecer metas comuns paras ações de diferentes secretarias? Como garantir envolvimento de diversos atores da política do município?”, comenta Julio Neres, do Núcleo de Educação Integral.

Para Neres, a assessoria em Sobral, por sua vez, se destacou por envolver a criação de um Comitê Gestor, que se tornou responsável por articular e mobilizar as demandas de integração de políticas públicas no município. “Referência de interlocução entre as secretarias e os grupos de trabalho na construção do alinhamento das ações, o Comitê é formado por representantes do gabinete da Prefeitura, da Coordenadoria Municipal de Juventude e de três organizações da sociedade civil: a Escola de Cultura, Comunicação, Ofícios e Artes (Ecoa), a Escola de Formação Permanente do Magistério (Esfapem) e a Escola Saúde da Família”.

Neres destaca, ainda, o público-alvo para o desenvolvimento das primeiras ações: a juventude. “Esse será o segmento estratégico tanto nos processos de escuta e eventuais pesquisas de campo ou levantamento de dados como na deliberação e elaboração das diretrizes para as ações intersetoriais”.

> Confira aqui nossa Temática sobre juventude.

 

Vitória (ES)

Quando aconteceu o seminário: 27 e 30/11/2015

Onde: Auditório da Prefeitura Municipal de Vitória

Com o tema “Trajetórias curriculares: potencializando a diversidade”, o seminário em Vitória contou com diferentes convidados. Gustavo Henrique Araújo Forde, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Ifes); Elda Alvarenga, da Faculdade Estácio de Sá; e Isa Maria Ferreira da Rosa Guará, da Universidade Anhanguera de São Paulo, estiveram entre eles.

> Leia mais sobre os participantes e os temas discutidos em Vitória acessando o folder do Seminário de Educação Integral.

 

“O Seminário é resultado do processo formativo realizado com as escolas participantes do Programa de Educação Integral e tinha como objetivo dar visibilidade ao trabalho realizado pelos coordenadores em relação às temáticas abordadas na formação – educação integral e os temas da diversidade: relações de gênero, relações étnico-raciais e questões socioambientais”, conta Letícia Araújo, do Núcleo de Educação Integral.

“Importante destacar o protagonismo da Secretaria [de Educação] nessas formações, pois a parceria consiste em apoiar a Secretaria nas construções de pauta, realização dos encontros e sistematização da experiência, fortalecendo, dessa maneira, o papel formativo dos técnicos”, conta Araújo a respeito do processo de assessoria em Vitória. 

 

Itabira (MG)

Quando aconteceu o seminário: 02/12/2015

Onde: Secretaria do Meio Ambiente de Itabira

Convidados especiais: Cleuza Repulho e Paula Chieffi

Com cerca de 240 participantes, o Seminário de Educação Integral de Itabira discutiu os seguintes temas: “Novos sentidos para a educação integral em Itabira”, “Educação integral e participação: o jogo que se escuta”, “Práticas educativas e educação integral”, “A voz dos alunos, pais, professores e gestores”, “Gestão municipal e intersetorialidade” e “Desafios na implementação da política pública: educação integral em Itabira”.

“Os processos de escuta foram a base em que se assentou a escrita do Plano [de Educação Integral] e sob a qual se pactuou a participação dos agentes sociais envolvidos no processo de elaboração do Plano […]. Foram ouvidas muitas vozes: pais, alunos, professores e gestores da educação, dentro de uma perspectiva de escuta ampliada de diferentes sujeitos que se conectam com o universo escolar. O resultado é um plano plural, voltado para o fortalecimento das conexões da comunidade escolar com a cidade de Itabira, visando à gestão ampliada e participativa, à formação continuada dos sujeitos e à apropriação dos espaços públicos […]: a escola se apropria da cidade e a cidade entra na escola”, comenta Julio Neres sobre o processo de assessoria e construção do Plano de Educação Integral na cidade natal de Carlos Drummond de Andrade. 

 

Mogi Mirim (SP)

Quando aconteceu o seminário: 8/12/2015

Onde: Auditório da Instituição de Incentivo à Criança e ao Adolescente de Mogi Mirim (ICA)

Convidada especial: Cleuza Repulho

Com cerca de 150 participantes, estes foram os principais temas abordados no Seminário de Educação Integral de Mogi Mirim:

  • Tempo compartilhado;
  • Parceria entre OSCs e escolas;
  • Território como potência – a importância dos saberes das famílias;
  • O brincar e os diferentes usos dos espaços da escola;
  • Currículos compartilhados;
  • Exercícios e produção de repertórios que considerem o que o aluno traz/conhece.

Já na assessoria em Mogi Mirim, Julio Neres destaca “as experiências que vêm sendo implementadas em escolas municipais e organizações sociais da cidade que colocam em prática alguns princípios da educação integral”, além da finalização do próprio Plano de Educação Integral do município.

A formação dos educadores – realizada pelas frentes Ludicidade, Arte e Cultura , Corpo e Movimento e Gestores –, o diálogo entre gestores e educadores e o trabalho de reconhecimento de crianças e adolescentes como sujeitos de direitos também são pontos a ressaltar.

“[Destaco] o reconhecimento do valor da memória lúdica e o início de uma preocupação com aquela que será a memória lúdica das crianças e adolescentes da educação integral, [além da] qualificação do uso do espaço e tempo que vem ocupando com as crianças: os participantes da formação passaram a perceber a necessidade de ampliar e qualificar o tempo de brincar para as aprendizagens das crianças. A relação entre os gestores e os professores melhorou muito e agora aparece mais como uma parceria. Além disso, em Mogi, temos trabalhado intensamente a ideia de sujeitos e territórios, principalmente no sentido de como os sujeitos da comunidade escolar podem somar na prática educativa e tornar diferente o cotidiano do professor”, conta Neres.

 

Saiba mais

> Confira aqui a cobertura especial do Seminário de Educação Integral em Petrópolis (RJ) feita pelo Educação&Participação;

> Confira aqui como foi o Seminário de Educação Integral em Salvador (BA);

> Saiba mais sobre os locais de atuação do Núcleo de Educação Integral em 2015.

 

 

Tagseducação integral, políticas, políticas de educação integral, políticas públicas

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)