Debate virtual: Articulação no território pela garantia do direito à educação integral

Ações de formação desenvolvidas no contexto do Prêmio Itaú-Unicef em 2014 fomentaram a realização do debate virtual “Articulação no território pela garantia do direito à educação integral”, no qual estiveram presentes: Nazira Arbache, coordenadora do Prêmio; Isa Guará, professora do mestrado profissional Adolescente em Conflito com a Lei, na Universidade Anhanguera de São Paulo (Unian) e integrante do Conselho Consultivo do Cenpec; e Maria Isabel Somme, assistente social formada pelo Instituto Superior de Ciências Aplicadas de Limeira, mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e coordenadora geral da Instituição de Incentivo à Criança e ao Adolescente de Mogi Mirim (ICA). Como moderadora, Maria Amábile Mansutti, pedagoga formada pela Universidade de São Paulo (USP) e atualmente coordenadora técnica do Cenpec.

Antes da abertura às perguntas, Isa Guará explicou o conceito de articulação e destacou que não é algo simples, pois articular significa ligar ao outro, o que pode gerar benefício ou desgaste. Nesse contexto, surgem ainda questões como a diversidade, que precisa ser pautada pela segurança da própria identidade; e as assimetrias de poder, que geram desafios.  A docente relembrou que a articulação tem-se dado mais fortemente entre a assistência social e a educação, mas é desejável que esse olhar se amplie para a educação integral.

Para Guará, a articulação é fundamental para superar constrangimentos sociais em prol do interesse da criança, além de ser necessário refletir sobre a articulação não apenas sob o viés da legalidade, mas a partir do conceito de cidadania, de geração de solidariedade: sair da esfera da assistência e da escola e pensar nas grandes demandas que o ser humano tem na saúde, no lazer, no esporte e na cultura, de forma integrada.

Maria Isabel Somme, por sua vez, dissertou sob o ponto de vista da experiência na coordenação no ICA. Ela comenta que, além do atendimento às primeiras necessidades das crianças, a organização da sociedade civil (OSC) verificou a importância do desenvolvimento da totalidade do indivíduo – e vem daí a articulação com as artes (circo, literatura, teatro, dança, música) e outras instituições, por meio da qual é possível enfrentar as dificuldades de aprendizagem dos alunos.

Assista ao debate na íntegra (1h9min23s).

Materiais relacionados

LOMONACO, Beatriz; BRUNSIZIAN, Izabel. Organização da sociedade civil e escola pública: uma parceria que transforma. São Paulo: Cenpec; Fundação Itaú Social, 2015. Acesso em: 31 ago. 2016.

SILVA, Eliane F.; LIMA, Sueli de. Como acontece o direito à educação integral na ONG e na escola: debate virtual [publicado em: 30 out. 2014]. São Paulo: Cenpec; Fundação Itaú Social. Disponível aqui. Acesso em: 31 ago. 2016.

ALVES, Lana P. de L.; MAZZOLI, Marcelo. O direito à educação integral para crianças e adolescentes: que direito é esse?: debate virtual [publicado em: 27 set. 2014]. São Paulo: Cenpec; Fundação Itaú Social. Disponível aqui. Acesso em: 31 ago. 2016.

SILVA, Maria de Salete. As ONGs e a garantia de direitos de crianças e adolescentes: a ONG e a articulação com as políticas públicas: depoimento [18 ago. 2014]. São Paulo: Cenpec. Entrevista concedida ao Prêmio Itaú-Unicef. Disponível aqui. Acesso em: 31 ago. 2016.

Tagsações socioeducativas, adolescente, articulação, assistência social, criança, debate virtual, educação, educação integral, jovem, OSC, parceria, Prêmio Itaú-Unicef, território

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)