Educação&Participação

Prática de esportes coletivos tradicionais com a inserção de uma regra nova ou de uma dificuldade no jogo.

Início

  • O que éO que é

    Prática de esportes coletivos tradicionais com a inserção de uma regra nova ou de uma dificuldade no jogo.

  • PúblicoPúblico

    Crianças e adolescentes.

  • MateriaisMateriais

    Acessórios necessários à prática do esporte escolhido (bola, rede, tacos, bastões etc.).

  • EspaçoEspaço

    Na quadra.

  • DuraçãoDuração

    Uma sessão de 90 min.

  • FinalidadeFinalidade

    Aprender a fazer intervenções, transformando situações estabelecidas.

  • ExpectativaExpectativa

    Criar adaptações, flexibilizar regras e procedimentos, inovar.

Na prática

regradojogo

Como desenvolver?


Escolha do jogo e estabelecimento das regras.

Faça, coletivamente, a escolha de um jogo conhecido e uma listagem das regras desse jogo. Esse levantamento não precisa ser exaustivo. Limite-se ao que considerar suficiente para que o grupo retome os princípios e as principais regras do esporte que vai praticar.

Agora entra a principal regra do jogo: você anuncia ao grupo que, desta vez, além das regras convencionais, será preciso respeitar uma regra adicional – esta “nova” regra introduz uma variação sobre o esporte e não poderá, sob nenhuma hipótese, ser quebrada ou deixar de ser seguida

Forme as equipes (times), com o número de jogadores necessários à prática do esporte escolhido (por exemplo: se o esporte é vôlei, cada equipe deve ter cinco jogadores no mínimo; se é futebol de salão, serão seis). Para formar as equipes, você pode fazer sorteio de nomes ou usar qualquer outra estratégia que considerar adequada. (Clique aqui e conheça uma estratégia divertida para formar equipes).

O tipo de variação pode ser infinito. Alguns exemplos:

Com esportes de bola, será possível utilizar duas (ou mais) bolas para o jogo. Nesse caso, é possível que a bola suplementar tenha uma marcação especial (seja de outra cor) e que alguns jogadores escolhidos (dois ou três por equipe) sejam impedidos de tocar nessa bola especial, sob pena de perder pontos.

Ao praticar vôlei, uma variação poderá ser cobrir a rede com um pano escuro, lona ou sacos de plástico pretos, de forma que quem estiver de um lado não possa ver o outro. Assim, os jogadores de uma equipe não serão capazes de prever o movimento da outra e deverão estar muito mais atentos à bola. Isso os ajudará a desenvolver habilidades como ter reflexos mais rápidos e respostas mais dinâmicas.

Outra variação com vôlei pode ser aumentar a altura da rede. Ao lançar a bola para a outra equipe, esse lançamento exigirá maior potência, esforço ou concentração.

Ainda com vôlei, é possível esticar uma corda a um ou dois metros da rede. Neste caso, a bola não poderá tocar ou passar por sobre essa corda.

Com basquete pode-se acrescentar duas (ou mais) cestas suplementares, em pontos equidistantes da quadra, de modo que as equipes poderão pontuar lançando a bola nessas novas cestas. Pode-se estabelecer um escore maior para pontos marcados quando essas cestas suplementares são utilizadas.

Com futebol, será possível aumentar (ou diminuir) a largura das traves. Pode-se também suprimir o goleiro ou permitir que cada equipe jogue com dois goleiros. Ou então, impedir que o goleiro utilize as mãos para defender o gol. Pode-se inverter as traves, colocando-as no meio do campo em vez de nas laterais, o que exigirá do grupo novas estratégias de jogo para marcar gol.

Estabelecimento das regras de pontuação e andamento do jogo

Combine a forma da pontuação e o tempo de cada rodada de jogo. Você pode estabelecer um rodízio de equipes, colocá-las para jogar através de sorteio, deixar permanecer em jogo a equipe vencedora (ou a perdedora) etc. O importante será dosar o tempo de modo que todos possam jogar. Combine também o tempo do jogo.

E se?

Se a nova regra não for seguida por alguma das equipes, a equipe perderá pontos.

 

Encerre o jogo conforme foi combinando.

Hora de avaliar

Converse com as equipes, ao final de uma rodada, para que cada um exponha como se sentiu diante da nova regra, se foi mais fácil (ou difícil) jogar com ela e por quê, quais estratégias ou táticas foi necessário que cada equipe criasse para resolver o jogo com a nova regra, entre outros comentários.

Se quiser, registre por escrito uma síntese desses comentários.

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

Essa mesma dinâmica de estabelecimento de uma nova regra ao jogo pode ser trabalhada em outros tipos de esportes, como os individuais.

Você pode aproveitar essa oficina para, ao final, discutir com o grupo que há coisas que aparentemente não podem ser modificadas (como as regras de um jogo) e, no entanto, basta estabelecer um combinado para que ela mude – é possível decidir quando e por que mudar.

Você pode estender o alcance da discussão, propondo que o grupo levante pequenas mudanças que são possíveis em outros setores da vida: mudar os móveis de casa de lugar, a forma de preparar um comida, uma rotina doméstica ou escolar estabelecida, o corte de cabelo, a roupa que se usa, entre outros.

Nessa discussão, será sempre importante ressaltar que qualquer mudança numa regra impõe novos compromissos e efeitos em nossas vidas (efeitos que podem ser bons ou não).

Outra possibilidade é comentar sobre a importância dos combinados iniciais em qualquer atividade coletiva que exija colaboração do grupo, seja de esporte ou não.

Gostou?

Acesse também as oficinas “Um vôlei para muitos” e “Gol gigante”.

Participe

Eu fiz assim…

Você já realizou esta oficina?
Nos comentários abaixo, conte para nós: o que deu certo? O que precisou ser modificado? O que foi ampliado? Ajude a plataforma a aprimorar o Banco de Oficinas!

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)