Educação&Participação

Trabalha com os princípios e valores propostos pela Carta da Terra.

Início

  • O que éO que é

    Atividade para conhecimento da Carta da Terra.

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes e jovens.

  • MateriaisMateriais

    Data Show, um computador por dupla com acesso à internet, folhas de papel jornal, pincéis atômicos coloridos, barbante e pregadores.

  • EspaçoEspaço

    Na sala de atividades e na sala de informática.

  • DuraçãoDuração

    Dois encontros de aproximadamente 1h30min cada.

  • FinalidadeFinalidade

    Conhecer, praticar e disseminar os princípios e valores propostos pela Carta da Terra.

  • ExpectativaExpectativa

    Conhecer os princípios e valores propostos pelo documento, para acompanhar notícias do mundo, que vão na direção proposta ou na contramão; adotar condutas de natureza sustentável.

Na prática

carta da terra

Como desenvolver?

1º encontro – Apresentando a Carta da Terra.

Exponha algumas frases e desenhos sobre a Carta da Terra pela sala, de forma que, ao chegarem, os adolescentes e jovens fiquem curiosos para saber que carta é essa. As frases e imagens poderão ser retiradas dos vídeos indicados na oficina. Deixe que circulem pela sala para observar e ler as mensagens.

Ao organizar a roda, pergunte se formularam alguma hipótese sobre o que significa a Carta da Terra e estimule que se manifestem a respeito. Certamente eles falarão que se trata de algo relacionado à preservação ambiental. Depois de algumas falas, projete para eles uma pequena animação, chamada Carta da Terra no Brasil, disponível abaixo:

Conte, então, a história da Carta para eles.

Tudo começou em 1992, no Fórum Global (Cúpula dos Povos), evento paralelo à Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente (ECO-92), realizada no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro.

Esse Fórum foi promovido por entidades da sociedade civil, participando mais de dez mil representantes de organizações não governamentais (ONGs), das mais variadas atuações de todo o mundo, num total aproximado de 1 300 organizações. Nele, foi redigida a primeira versão da Carta da Terra, que trata do desenvolvimento sustentável dos países, ou seja, de uma nova forma de existência no planeta, que preserve a qualidade de vida para as gerações futuras.   Assim, o Brasil foi o berço da Carta da Terra.

Para que eles conheçam o que diz o documento, prepare a projeção do vídeo A Carta da Terra – valores e princípios para um futuro sustentável, disponível abaixo:

Esse vídeo tem a duração de 25 minutos. Está organizado em:

–  Preâmbulo

– Princípios.  São 4 partes referentes a 4 grandes princípios. Cada parte tem 4 proposições, com duração média de 7min 5s cada.

– Como continuar – final.

Sugerimos que você projete parte por parte, fazendo uma pausa para reflexão e debate do que foi projetado e das respectivas proposições de ações, após cada uma das partes.

  • Primeira parte: Preâmbulo e 1ª princípio: Respeitar e cuidar da comunidade de vida (7min9s).
  • Segunda Parte: 2º princípio: Integridade Ecológica (6min26s).
  • Terceira Parte: 3º princípio e final: Justiça social e econômica (6min33s).

Atenção: É importante o registro do que ficar mais significativo de cada uma das três partes, para o grupo, antes de passar para a próxima parte. Por isso, registre em um cartaz, após cada parte, as ideias que considerarem principais.


2º encontro: Explorando os princípios da Carta da Terra.

Este encontro deverá ser realizado na sala de informática, com um computador por dupla.

Retome os cartazes feitos sobre as três partes que abordam os princípios da Carta da Terra e organize a turma em duplas. Cada dupla irá escolher um dos princípios e acessar o vídeo para aprofundar a questão.

Dê as referências da minutagem em que se encontram os princípios, para localizarem sua parte. Percorra as duplas, porque eles poderão precisar de sua ajuda para essa localização. Chame a atenção para a caracterização das telas dos princípios, para facilitar a busca e oriente a passarem o mouse sobre a linha que acompanha a projeção do vídeo, para verem desfilar as pranchas e identificar a prancha do princípio escolhido.

E se?

Se perceber que eles estão encontrando dificuldades para entender os procedimentos, faça
uma vez no coletivo, antes do trabalho das duplas.

Cada dupla terá a tarefa de assistir, identificar o tema tratado, discuti-lo e realizar um registro que expresse o assunto, na forma de uma frase, de um desenho, de um verso ou de uma encenação. Dê aproximadamente 40 minutos para lerem, discutirem e registrarem suas conclusões.

Em seguida, abra para a socialização, organizando-a por princípio. Todas as duplas que escolheram o mesmo princípio apresentarão suas produções, uma após a outra, pendurando-as em varais de barbante. No caso de encenação, pode-se tirar foto com o celular e imprimir cenas, para que os colegas possam apreciá-la.

Convide-os a circular pelos varais para observarem as produções dos colegas e observar que princípios foram os mais representados.

Hora de avaliar

Em roda, peça que avaliem a oficina: o que ela trouxe de conhecimentos novos para eles? Algum deles os surpreendeu? O que não sabiam?  Como foi o trabalho nas duplas e no uso do computador? Como ele pode funcionar melhor? Fez diferença para eles conhecer a Carta da Terra? Acham importante divulgá-la?

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

Eles poderão convidar as outras turmas da instituição para visitar a exposição dos trabalhos nos varais e montar um álbum com as produções que fizeram para deixar em local visível da instituição.

Seria interessante pensar num evento de divulgação da Carta da Terra para a comunidade, com a ajuda dos professores de Ciências e de Geografia.

Para saber mais

A Carta da Terra foi criada em 1992, pelo Fórum Global, evento paralelo à ECO-92, realizada no Rio de Janeiro e promovido por organizações da sociedade civil.

É uma declaração de princípios éticos e valores fundamentais para a construção de uma sociedade mundial mais justa, sustentável e pacífica, equivalendo à Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Inspira todos os povos a um novo sentido de interdependência e responsabilidade compartilhada, norteando pessoas, nações, Estados, raças e culturas no que se refere à sustentabilidade. Conclama a soma de esforços para a construção de uma sociedade baseada no respeito à natureza, aos direitos humanos universais, à justiça econômica e a uma cultura da paz.

Para alcançar tais propósitos, é preciso que os povos da Terra declarem a  responsabilidade  de uns para com os outros, com a vida e com as futuras gerações.

Os padrões dominantes de produção e consumo causam devastação ambiental, reduzem recursos e extinguem espécies. Os benefícios do desenvolvimento não são distribuídos equitativamente, o que tem aumentado o fosso entre ricos e pobres. Os conflitos violentos entre nações têm aumentado e a população humana tem crescido muito, sobrecarregando os sistemas ecológico e social.

Mudar isso implica mudanças fundamentais em nossos valores, instituições e modos de vida, pois temos o conhecimento e a tecnologia necessários para abastecer a todos e reduzir os impactos sobre o meio ambiente.

A escolha é nossa: ou formamos uma aliança global para cuidar da Terra e cuidarmos uns dos outros ou arriscamos a destruição da humanidade e da diversidade da vida.

A Carta da Terra já foi adotada por alguns países como Holanda, Costa Rica e México, assim como por várias cidades como Xangai (China), Estocolmo (Suécia) e Seattle (USA).

Fontes de Referência

Gadotti, Moacir – A Carta da Terra na Educação. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2010.

Padilha, Paulo R.[et al.] Educação para a Cidadania Planetária: currículo intertransdisciplinar em Osasco. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2011.

Gostou?

Então acesse a oficina “Minha cidade sustentável”, deste banco.

Obs: os links desta oficina foram visitados em 17 de julho de 2015.

OOs links desta oficina foram visitados em 17 de julho de 2015.

s links desta oficina foram visitados em 17 de julho de 2015, à


sks s links informados na oficina foram visitados em 17 de julho de 2015 às 11h57min.

Participe

Eu fiz assim…

 

Nesse espaço você pode postar suas impressões sobre o desenvolvimento das oficinas, dizendo-nos o que deu certo, o que precisou ser modificado, o que deu errado. Com isso, você nos ajuda a aperfeiçoar o banco, além de contribuir com sugestões para outros possíveis usuários.

 

Você pode participar de diferentes formas:

Envie um relato sobre a experiência em realizar esta oficina.
Escreva um texto relatando como foi o resultado, incluindo, se possível, imagens e vídeos, e mande para o e-mail  oficina@educacaoeparticipacao.org.br. Nossa equipe vai analisar e seu relato pode ser publicado neste site.

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 2 comentário(s)

  •    Maria Lúcia Pereira  em 
  •    Maria Lúcia Pereira  em