Educação&Participação

Produção coletiva de pintura, a partir de extração de tinta de cenoura, beterraba e folhas verdes.

Início

  • O que éO que é

    Atividade de extração de tinta de beterraba, cenoura e folhas verdes.

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes.

  • MateriaisMateriais

    Duas beterrabas; três cenouras; algumas folhas verdes; água; álcool; ralador; três coadores de papel ou três panos de prato; três tigelas e três folhas de papel pardo coladas (por grupo); folhas de papel; esponjas e pincéis (por grupo); barbante grosso para montagem de painel e pregadores.

  • EspaçoEspaço

    Na sala de atividades.

  • DuraçãoDuração

    Um encontro de aproximadamente 1h30min.

  • FinalidadeFinalidade

    Compreender que há diferentes formas de relacionamento do homem com a natureza, que variam conforme a época, as diferentes culturas e o respeito ao meio ambiente.

  • ExpectativaExpectativa

    Aprender métodos naturais de extração de tinta; produzir composições coletivas.

Na prática

extraindo_tinta_vegetais

Como desenvolver?
Inicie a roda perguntando se já fizeram extração de tinta de alguma planta. Se alguém já fez, peça que conte ao grupo como foi e depois convide-os a fazer uma experiência simples, com alguns legumes e folhas. Você mesmo(a) pode providenciar os materiais necessários para a atividade ou pode pedir que alguns os tragam.

Afixe três cartazes na parede, cada um com a orientação sobre a extração de um vegetal: um para as beterrabas, outro para as cenouras e o terceiro para as folhas verdes, conforme as indicações abaixo:

1º cartaz: Extraindo tinta das beterrabas
Rale as duas beterrabas e coloque em uma tigela. Misture um pouco de água, formando um caldo grosso. Coe a mistura, usando um coador de papel ou um pano de prato. Pronto! Com o que foi filtrado, você pode tingir papéis por inteiro ou fazer manchas, usando esponja ou pincel.

2º cartaz: Extraindo tinta da cenoura
Rale três cenouras cruas e coloque em uma tigela. Misture um pouco de água. Soque os pedacinhos de cenoura até que se misturem bem com a água, formando um caldo grosso. Coe a mistura num coador ou num pano de prato. Pronto! Você já tem outra mistura para pintar papéis, usando a sua imaginação.

 

3º cartaz: Extraindo tinta das folhas verdes
Pegue algumas folhas verdes, pique-as, coloque em uma tigela e soque bem. Misture álcool e continue socando até que a mistura fique verde. Coe a mistura, usando um coador de papel ou pano de prato. Você acabou de extrair o pigmento verde das folhas, a clorofila, que é o pigmento que age na fotossíntese das plantas.

Oriente a sequência da atividade: primeiro, em grupo, eles farão as extrações de tinta dos três vegetais e, depois, usarão as tintas para montar um painel do grupo, em papel pardo. Cada um escolherá se vai usar pincel ou esponja. A pintura poderá ser combinada ou livre: o grupo decidirá.

Peça que alguns leiam em voz alta as instruções dos cartazes para que as entendam bem. A seguir, organize os grupos e distribua os materiais. Agora, é só darem asas à imaginação, combinando as cores do jeito que quiserem, misturando cores etc.

Quando todos os grupos tiverem terminado, distribua as folhas de papel pardo para que iniciem os painéis. Conforme forem terminando, peça que pendurem no varal da sala para apreciação de todos.

Hora de avaliar
Depois que tiverem observado o trabalho de seu grupo e os dos demais, forme uma roda para discutirem a oficina. Gostaram da experiência? Que diferenças percebem entre as tintas extraídas de vegetais e as demais? Que efeitos se percebem? De que cor mais gostaram? Por quê? E quanto ao trabalho em equipe, foi tranquilo? Como decidiram se o painel deveria ser de tema livre ou escolhido pelo grupo?

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

Com o professor ou educador de Arte, poderão montar uma exposição dos trabalhos. Uma forma interessante é expor os produtos finais acompanhados de um pequeno texto, contando as técnicas utilizadas. Paralelamente à exposição, poderá ser oferecida uma oficina para os visitantes também realizarem a experiência vivenciada por eles.
Para saber mais

O uso  de plantas como fonte de tinturas é bastante antigo; pinturas rupestres indicam que o extrativismo vegetal já era praticado na Pré-história. Naquela época, conseguiam-se os pigmentos coloridos da terra – vermelho e marrom – e os tons amarelados e esverdeados dos vegetais. Esses pigmentos eram esfregados nas paredes das cavernas com as mãos ou misturados a gordura de animais e aplicados com pincéis feitos de caniços, penas e pelos. Arqueólogos descobriram provas de que os homens primitivos usaram tinta para fins estéticos, como pintura corporal, que é uma manifestação cultural presente em várias sociedades, como as dos indígenas, dos hindus, dos africanos e na sociedade ocidental, por meio da maquiagem e da tatuagem.Os indígenas utilizam a pintura corporal como meio de expressão ligado aos diversos rituais. Para cada evento, há uma pintura específica: luta, caça, casamento, morte. Todo ritual indígena é retratado em seus corpos na forma de pintura: é a expressão artística mais intensa dos indígenas. A tinta é extraída principalmente do urucum, do jenipapo e do babaçu.
Como os indígenas, muitas tribos africanas também usam a pintura corporal com significados particulares a cada evento, e para embelezar-se. A natureza também é muito retratada nesse tipo de pintura corporal. Da mesma forma, a cultura hindu utiliza a pintura corporal nos casamentos, ocasião em que as noivas são pintadas por todo o corpo com desenhos decorativos que representam sorte para a moça e um rompimento com a antiga vida em família e, para exibir a condição de mulher casada, um sinal vermelho no centro das sobrancelhas.
Gostou?

Acesse também a oficina “Aprendendo a estampar tecido”, deste banco.

Participe

Eu fiz assim…

 

Nesse espaço você pode postar suas impressões sobre o desenvolvimento das oficinas, dizendo-nos o que deu certo, o que precisou ser modificado, o que deu errado. Com isso, você nos ajuda a aperfeiçoar o banco, além de contribuir com sugestões para outros possíveis usuários.

 

Você pode participar de diferentes formas:

Envie um relato sobre a experiência em realizar esta oficina
Escreva um texto relatando como foi o resultado, incluindo, se possível, imagens e vídeos, e mande para o e-mail  oficina@educacaoeparticipacao.org.br. Nossa equipe vai analisar e seu relato pode ser publicado neste site.

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 1 comentário(s)

  •    Marcia Monteiro  em 
         Educação&Participação respondeu em