Educação&Participação

Atividade de escuta de diferentes líderes de povos indígenas do Brasil de hoje, sobre o que pensam de sua condição na sociedade.

Início

  • O que éO que é

    Atividade de escuta de diferentes líderes de povos indígenas do Brasil de hoje, sobre o que pensam de sua condição na sociedade.

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes e jovens.

  • MateriaisMateriais

    data show com acesso a internet, folhas de papel pardo para a confecção de cartazes e de um grande painel, imagens de aldeias, de cenas cotidianas e festas da cultura indígena, índios na cidade, na universidade, nas ruas das cidades, aparelho de som, música indígena, mapa do Brasil, giz colorido.

  • EspaçoEspaço

    Na sala de atividades.

  • DuraçãoDuração

    1h30 (uma hora e trinta minutos)

  • FinalidadeFinalidade

    Tomar consciência de que a História pode ter várias versões, dependendo de quem a conta e, por isso, é importante ouvir as várias vozes.

  • ExpectativaExpectativa

    Conhecer o que pensam sobre a sua condição os povos indígenas brasileiros, que somam hoje 200 culturas diferentes; reconhecer e respeitar o diferente..

Na prática

Exponha o mapa do Brasil e as imagens da vida e de pessoas indígenas na sala, antes da turma entrar. Coloque uma música indígena para tocar. Dê um tempo para que observem as imagens.

Quando estiverem sentados, faça uma rodada sobre o que observaram nas imagens, o que lhes chamou a atenção. Após os comentários iniciais, pergunte o que pensam sobre os índios: quem são?

Como são identificados?

Onde vivem?

Como vivem?

Se já viram ou conversaram com algum índio?

Se alguémAlguém tem algum parente indígena?

Anote as observações num cartaz.

Ao aprender a história do Brasil, muitas vezes a população indígena é retratada com discriminação, como um povo relacionado a atraso, preguiça e selvageria, o que é contestado pelos estudiosos da questão, que não consideram as práticas culturais de um povo como superiores ou inferiores a de outros povos, mas, apenas diferentes, conforme época e contexto.

Proponha que assistam a um vídeo, em que os próprios índios se apresentam e falam de si, de seus povos e de suas culturas. O vídeo faz parte de uma coleção da TV Escola, que aprofunda a temática de várias culturas indígenas no Brasil:

O índio Ailton Krenak, do povo Krenak, que vive em Minas Gerais, na divisa com o Espírito Santo, apresenta oito culturas nesse vídeo: a dele e de mais sete. Os líderes indígenas falam sobre o assunto, mostrando seus pontos de vista sobre a forma com que são tratados na sociedade.

Apesar de ter sido produzido há mais de dez anos, o vídeo configura uma realidade que, infelizmente, é bastante atual.

Combine com eles que você fará várias paradas, sempre que for apresentada uma cultura, para que comentem a fala do líder desse povo.

Nessas pausas, anote, com a ajuda deles, os dados abaixo, em um cartaz bem visível e contorne os estados citados de cada cultura com um giz de cor diferente, no mapa do Brasil, exposto na sala.

Povos indígenas                      Locais onde vivem

——————-                         ———————–

——————                           ———————–

 ——————                          ———————–

No fim da projeção, chame a atenção para o fato de que os dados numéricos apresentados por Ailton Krenak constituem estimativa anterior ao Censo de 2010 e, por essa razão, as quantidades são inferiores às divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e que você apresentará a eles.

No Censo de 2010, implantou-se uma nova metodologia para captar os dados, por meio da autodeclaração (pesquisadora do IBGE, explica a metodologia aqui)

Peça para observarem o mapa do Brasil pintado e apresente os seguintes dados do Censo de 2010, em um cartaz:

  • Os povos indígenas no Brasil somam, pelo último Censo, 896 mil pessoas as quais se declararam indígenas.
  • São 305 etnias, falando 274 línguas diferentes.
  • A maior população autodeclarada indígena está na Amazônia com 168.700. É a única superior a 100 mil.
  • A população indígena cresceu 11,4% em relação a 2000, o correspondente a um acréscimo de 84 mil pessoas.

Chame a atenção para a última informação do cartaz que coincide com os depoimentos dados pela índia Kaigang e o índio Krenak  sobre ter aumentado muito o número de indígenas, no país, nos últimos 50 anos. Promova um debate com eles sobre as possíveis razões para isso ter acontecido.

E se?

Se alguém disser que nos últimos tempos os índios vêm lutando para conseguir a garantia de direitos, aprofunde a questão.  Mas, se não levantarem essa hipótese, aborde-a você mesmo, apontando algumas das conquistas obtidas por eles, nas últimas décadas.


Veja algumas importantes conquistas dos povos indígenas:

1967 – Criação da FUNAI – Fundação Nacional do Índio, órgão indigenista oficial do Estado brasileiro, vinculado ao Ministério da Justiça.

1993 – Estatuto do Índio – regula a situação jurídica dos índios ou silvícolas e das comunidades indígenas, com o propósito de preservar a sua cultura e integrá-los, progressiva e harmoniosamente, à comunhão nacional.

1991 – Educação indigenista – é atribuída ao Ministério da Educação a competência para coordenar as ações referentes à Educação Indígena, em todos os níveis e modalidades de ensino, ouvida a FUNAI.

1996 – Estabelecimento de procedimentos administrativos para a demarcação de terras indígenas.

1999 –  Criação de lei que  dispõe sobre as condições para a prestação de assistência à saúde dos povos indígenas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), pelo Ministério da Saúde.

2011 – Participação dos entes federados no âmbito do processo administrativo de demarcação de terras indígenas.

2012 – Orientações para a elaboração de Planos de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas – um instrumento feito pelos e para os indígenas, segundo suas aspirações e visões de futuro, com a colaboração e o apoio do Estado e de parceiros da sociedade civil.

2015 – Criação do Conselho Nacional de Política Indigenista – CNPI, órgão colegiado de caráter consultivo responsável pela elaboração, acompanhamento e implementação de políticas públicas voltadas aos povos indígenas.


Dando novamente a palavra aos próprios índios, projete para os alunos o vídeo abaixo, feito pelos índios, que mostra como eles têm se organizado e que respostas dão aos argumentos usados para aqueles que os que os consideram preguiçosos, improdutivos e não índios, na tentativa de barrar seus direitos.

É importante que os adolescentes percebam que essa conquista é fruto da organização dos próprios povos indígenas que aprenderam a lutar pelas suas terras e seus direitos. Apropriaram-se da língua falada pelos brancos, a portuguesa, foram às escolas e às universidades para aprender a ler e interpretar seus códigos e falar com eles na mesma posição. Aprenderam a se organizar como os brancos e a reivindicar as terras a que têm direito pela constituição brasileira e a denunciar as invasões de suas terras, promovidas por latifundiários.

Para finalizar, apresente a eles o site do Instituto Socioambiental (ISA), que consiste em um mosaico com as culturas indígenas do país, para que possam entrar em algumas delas e que despertem sua curiosidade e obter informações a respeito.

 

Para ampliar

Hora de Avaliar:

A avaliação da oficina será realizada por meio da confecção de um painel coletivo. Junte folhas de papel pardo, estenda-as no chão ou afixe-as na parede e solicite que escrevam ou desenham algo que represente o que apreenderam, escutando a voz dos índios.

Socialize o painel de forma que cada um compartilhe as suas aprendizagens. Cuide para evitar a monopolização da palavra, estimulando todos a se expressarem.

O que mais pode ser feito?

Uma pesquisa mais aprofundada sobre a situação dos povos indígenas, com a ajuda de professores de História e Geografia. Poderá organizar uma visita a alguma aldeia, se existir na região, para conversarem com os índios sobre seu modo de viver e seus problemas ou visitar sites específicos de povos indígenas e estabelecer algum contato virtual com eles. No endereço abaixo, eles encontrarão uma relação de sites geridos pelos próprios indígenas.

https://pib.socioambiental.org/pt/c/iniciativas-indigenas/autoria-indigena/sites-indigenas#1

Fontes de Referência:

https://pib.socioambiental.org/pt/c/no-brasil-atual/quantos-sao/o-censo-2010-e-os-povos-indigenas

https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-monitoramento/ibge-detalha-dados-sobre-povos-indigenas

https://pib.socioambiental.org/pt

http://www.funai.gov.br/#

http://www.brasil.gov.br/governo/2012/04/populacao-indigena-cresce-11-4-em-dez-anos-diz-ibge

www.redebrasilatual.com.br

Para saber mais

Os povos indígenas que vivem em nosso país e em outros locais do continente americano são chamados também de índios, porque os portugueses assim chamaram os nativos da  terra, quando aqui chegaram, pensando que haviam chegado às Índias. Não se sabe sua origem; são chamados de nativos, porque já habitavam a terra brasileira, antes da chegada dos colonizadores.

Como qualquer povo, os indígenas desenvolveram sua cultura a partir da história de sua relação com o meio ambiente e da relação entre seus membros. Como existiam vários povos habitando essa região a qual chamamos hoje de Brasil e que sofreu várias modificações a partir da colonização, muitas culturas se desenvolveram.

O Censo Demográfico de 2010 apontou 305 etnias, falando 274 línguas diferentes. Os povos indígenas no Brasil somam, segundo o Censo, 896 mil pessoas que assim se declararam. A maior população autodeclarada indígena está na Amazônia com 168.700. É a única superior a 100 mil.

Do total dos indígenas, 63,8% viviam, na ocasião do Censo, em áreas rurais e 36,2%, nas cidades. Dos que habitavam em área rural, 517 mil estavam em terras oficialmente reconhecidas como indígenas. Dos 315 mil que habitavam áreas urbanas, pouco mais de 33,7% se concentrava na região nordeste.

Ainda segundo o Censo de 2010, a população indígena cresceu 11,4% em relação ao Censo de 2000, o que corresponde a um acréscimo de 84 mil pessoas. Essa alta é menor do que a indicada pelo Censo de 2000.

Abaixo, alguns dados importantes coletados desde o Censo de 1991.

1991 2000 2010
nº absoluto 306.245 734.131 817.963
proporção 0,2 0,43 0,44

 

Distribuição da população indígena pelos estados brasileiros.

 

 

1991

2000

2010

Região Norte

124.613 

 213.445 

305.873

Rondônia

4.132

10.683

12.015

Acre

4.743

8.009

15.921

Amazonas

67.882

113.391

168.680

Roraima

23.426

28.128

49.637

Pará

16.132

37.681

39.081

Amapá

3.245

 4.972

7.408

Tocantins

5.053

10.581

13.131

Região Nordeste

55.849 

170.389

208.691

Maranhão

15.674

27.571

35.272

Piauí

314

2.664

2.944

Ceará

2.694

12.198

19.336

Rio Grande do Norte

394

3.168

2.597

Bahia

16.023

64.240

19.149

Paraíba

3.778

10.088

53.284

Pernambuco

10.576

34.669

14.509

Alagoas

5.690

9.074

5.219

Sergipe

706

6.717

56.381

Região Sudeste

42.714

161.189

97.960

Minas Gerais

6.118

48.720

31.112

Espírito Santo

14.473

12.746

9.160

Rio de Janeiro

8.956

35.934

15.894

São Paulo

13.167

63.789

41.794

Região Sul

30.334

84.748

74.945

Paraná

10.977

31.488

25.915

Santa Catarina

4.884

14.542

16.041

Rio Grande do Sul

14.473

38.718

32.989

Região Centro-Oeste

52.735

104.360 

130.494

Mato Grosso do Sul

32.755

53.900

73.295

Mato Grosso

16.548

29.196

42. 538

 

Gostou?
Acesse também a oficina “Brincadeiras indígenas do Xingu”, deste banco.

Participe

Eu fiz assim…

Você já realizou esta oficina?
Nos comentários abaixo, conte para nós: o que deu certo? O que precisou ser modificado? O que foi ampliado? Ajude a plataforma a aprimorar o Banco de Oficinas!

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 1 comentário(s)

  •    Cristina de Fátima Santos  em