Educação&Participação

Reflexão sobre o papel da fotografia na propaganda e na publicidade.

Início

  • O que éO que é

    Reflexão sobre o papel da fotografia na propaganda e na publicidade.

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes e jovens

  • MateriaisMateriais

    Jornais, revistas, máquinas fotográficas ou celulares que fotografam, barbante, pregadores.

  • EspaçoEspaço

    Na sala de atividades.

  • DuraçãoDuração

    Um encontro de aproximadamente 1h30min.

  • FinalidadeFinalidade

    Desenvolver a crítica frente às questões éticas e estéticas que envolvem o uso de imagens em propagandas.

  • ExpectativaExpectativa

    Aprender a ler as fotos de propaganda; identificar a articulação existente entre o texto escrito e a imagem nas fotos publicitárias.

Na prática

Como desenvolver?fotografia

Oriente os adolescentes e jovens para trazerem jornais, revistas, panfletos ou folderes, que tenham propagandas em que figurem pessoas e coloque na roda.

Peça que olhem as diferentes propagandas e escolham uma delas para trabalhar. A tarefa é observar atentamente, tanto o texto visual (imagem), quanto o texto escrito (as palavras) que ela veicula e tentar identificar a relação entre esses dois textos: as imagens dialogam com as palavras, complementam-nas, ou são apenas ilustrações? Os textos convergem entre si ou divergem? Em relação ao que propõe, observar se as mensagem veiculadas na propaganda  são reais, verossímeis.

Converse com eles sobre o que pensam a respeito das fotos publicitárias e problematize: as fotos dizem a verdade? As fotos podem mentir? É possível registrar uma história, um cenário que não existe? Em que situações?

Considere com eles a existência de propagandas enganosas, de fotos retocadas, de fotomontagens, de realidades fictícias e em que situações isso acontece e com que intenção e o mais importante: quando isso é aceitável e quando não é. Num livro de histórias, por exemplo, se justifica ter imagens fantasiosas, de um mundo irreal, mas numa propaganda de cigarros ou de carros, também? O que pensam a respeito de se tentar convencer o outro a comprar, usando de qualquer recurso para isso?

Esse é o momento de você abordar com eles as questões éticas envolvidas no assunto. Por isso é importante Incentivar que coloquem suas opiniões na roda e as defendam, mas problematize- as, de forma que levantem outras hipóteses a respeito do assunto e reflitam sobre a questão, por vários ângulos, apontando os cuidados e o respeito que se deve ter com as pessoas.

Acesse o site Um Postal para um Amigo e apresente para eles uma foto tirada num bar de Paris, em meados do século XX, que foi usada indevidamente para outras situações, além daquela para a qual foi tirada. Apesar da autorização dada pelos fotografados, para a foto original, ela saiu da governabilidade do fotógrafo e causou vários problemas. Pergunte se eles têm conhecimento de algum fato parecido com esse para comentarem.

Sistematize, nesse momento, as principais ideias e valores que circularam na discussão do grupo, registrando-as num cartaz.

A seguir, proponha uma brincadeira. Eles farão o papel de profissionais de uma agência de propaganda. Organize-os em equipes, cada qual com uma ou duas máquinas fotográficas. A tarefa das equipes será escolher um produto a ser lançado e criar uma campanha publicitária para ele, utilizando fotos de pessoas. Essa campanha será veiculada em jornais, revistas e outdoors. A campanha terá a função de apresentar o novo produto e convencer o público a consumí-lo.

Por isso, é importante pensarem a que público esse produto se destina: mulheres, homens, jovens, adultos, idosos? Isso ajudará a definir as imagens mais adequadas à propaganda, assim como os textos escritos que a acompanharão.  Eles deverão considerar os cuidados éticos discutidos anteriormente.

E se?

Se alguém propuser criar uma propaganda para crianças, proponha uma discussão sobre o assunto, uma vez que a criança não tem o discernimento ainda para perceber o jogo entre o real e o fictício e tudo o que implica o consumo (gasto, estabelecimento de prioridades etc.).

A equipe se subdividirá: alguns serão os fotógrafos, outros serão os modelos. Tiradas as fotos, eles deverão pensar no texto escrito que acompanhará as fotos, na propaganda, procurando articulá-lo às imagens coletadas.

Em seguida, comporão a página do anúncio que será veiculado na mídia impressa, televisiva e na internet. Nessa página, deverão constar:

  • o nome do produto em destaque;
  • a foto produzida, que deverá dar vida à propaganda;
  • o texto, que deve ser persuasivo, apontando boas razões para  o público adquirir aquele produto; como foi bem discutido anteriormente, não vale propaganda enganosa!
  • um slogan, que é uma frase bem concisa, que sintetize essas razões e seja fácil do consumidor lembrar.

Quando os grupos tiverem terminado a tarefa, organize com eles um varal com os anúncios publicitários e convide-os a apreciar os trabalhos dos colegas.

Hora de avaliar

Faça uma roda para avaliarem a atividade: foi interessante? Como se sentiram como criadores de publicidade? Gostaram do produto final a que chegaram? Depois de circularem pelas propagandas dos colegas e analisando a sua produção, acham que faltou alguma coisa nela ou que poderiam fazer algo para aprimorá-la? O quê?

Discuta com eles também o processo vivido no grupo: foi tranquila a distribuição de papeis: fotógrafos e modelos? Cada um fez o que queria ou tiveram que negociar as tarefas? Houve consenso na escolha do produto de propaganda? E em relação ao texto escrito? Foi fácil decidir o que escrever e estabelecer relação com a imagem?

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

Sugira que entrevistem algum fotógrafo do território para saber mais sobre as características da profissão. Conhecem alguns, no entorno?

Certamente todos já precisaram dos serviços de um fotógrafo profissional, por algum motivo e por isso sabem de algumas coisas a respeito; mas, será que já atentaram para o fato de que as fotos que saem nos jornais, nas revistas, nos livros e na internet estão sempre acompanhadas dos nomes dos autores? Por quê?

A realização da entrevista possibilitará maior compreensão sobre o papel e a importância dessa profissão, bem sobre os diferentes recursos e aspectos que devem ser observados para que seja possível produzir bons registros fotográficos.

Para saber mais

Para o fotógrafo Boris Kossoy, “a fotografia é sempre uma representação do real, intermediada pelo fotógrafo que a produz, segundo sua forma particular de compreensão daquele real, de seu repertório, de sua ideologia.. .

A imagem de qualquer objeto ou situação documentada pode ser dramatizada ou estetizada, de acordo com a ênfase pretendida pelo fotógrafo, em função da finalidade ou aplicação a que se destina”. É daí que surgem as fotos por categoria: jornalística, social, antropológica, publicitária.

A fotografia publicitária é aquela, especialmente produzida, para divulgar comercialmente um produto, tanto por meio da mídia impressa – jornais, revistas, cartazes, out-doors, ou folhetos – quanto por meio do audiovisual, pela televisão ou pelo cinema.  Seu objetivo é divulgar um determinado conceito, relacionado a um determinado produto, materializando-o, para atingir o consumidor.

Nessa perspectiva, muitas vezes utiliza-se de cenários fantasiosos, irreais, associando-os ao produto que pretende vender.

Quantas vezes não nos deparamos, ao ler uma revista ou um jornal, assistir um programa de TV ou acessando a internet, com anúncios de produtos que fazem mal à saúde (bebidas, cigarros) ou produtos desnecessários e supérfluos (carros caros e potentes, produtos da moda), que exibem pessoas bonitas e bem sucedidas, na vida profissional e amorosa?

A ficção, neste caso, é só um artifício irreal para a obtenção de algo real, o consumo e o lucro.

Nessa mesma perspectiva, há campanhas publicitárias de produtos alimentares não saudáveis para crianças ou com estímulo excessivo ao consumo de brinquedos, roupas ou calçados.

Por esta razão há um debate atual, na sociedade civil brasileira, em torno da proibição de propagandas destinadas às crianças, pois elas ainda não têm capacidade de discernimento para fazer escolhas. Mas, a questão ainda é polêmica, não se tendo chegado a um consenso.

No entanto, com ou sem legislação existente, o exercício da ética e da responsabilidade, na profissão do fotógrafo, é fundamental. Mas isso também é válido para os amadores.

Fontes de Referência:

Guerra, Maria Terezinha Telles. Arte: Sequência de atividades, 6º ao 9º- ensino fundamental. Estudar pra valer: leitura e produção de textos nas áreas do conhecimento. CENPEC, 2011.

Blog Fotojornalismo

Participe

Eu fiz assim…

Você já realizou esta oficina?
Nos comentários abaixo, conte para nós: o que deu certo? O que precisou ser modificado? O que foi ampliado? Ajude a plataforma a aprimorar o Banco de Oficinas!

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)