Educação&Participação

Vivência de contato com diferenças texturas , a partir de um passeio pelos espaços abertos da instituição, e produção de gravuras.

Início

  • O que éO que é

    Produção de imagens gráficas a partir de vivências com texturas.

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes e jovens.

  • MateriaisMateriais

    Folhas de jornal, papel sulfite, giz de cera, tesoura, lápis de cor, espuma, folhas de papel pardo.

  • EspaçoEspaço

    Nos espaços abertos da instituição e na sala de atividades.

  • DuraçãoDuração

    Um encontro de 1h30min.

  • FinalidadeFinalidade

    Reconhecer a gravura como linguagem artística.

  • ExpectativaExpectativa

    Explorar texturas de diferentes superfícies; conhecer a prática de frotagem para composição de gravuras.

Na prática

gravura

 

Como fazer?

Converse com a turma sobre texturas. Pergunte se já observaram a diversidade de texturas que existem em diferentes locais e objetos. O que têm a dizer sobre isso? O que observaram, onde e como? Sentiram com o tato se eram lisas, ásperas, rugosas? Quais foram as texturas que mais os impressionou? Por quê? Já ouviram falar  do trabalho com gravuras? Conhecem alguém que trabalha com gravura? Como é?

Proponha  que realizem uma vivência com texturas, a partir de um passeio pelos espaços abertos da instituição: pátio, jardim, área externa e usem esse contato com as texturas na produção de gravuras. Para que vejam os vários usos da técnica, projete para eles  o vídeo abaixo:

Pesquisa Google – Frotagem

Vídeo sobre Frotagem:

Distribua papel sulfite, giz de cera e lápis preto. Oriente para que quando passarem por um espaço ou por um objeto cuja textura considerem interessante, coloquem o papel sulfite sobre a superfície escolhida e risquem com o giz de cera ou o lápis, transferindo essa textura para o papel. Podem fazer quantas desejarem, mas é importante que extraiam texturas diferentes.

E se?

Se o papel rasgar, é necessário ter folhas para substituir. Por isso, leve folhas a mais, assim como giz de cera e lápis.

A textura é um dos princípios da gravura: a esse processo de retirar texturas por meio da fricção, dá-se o nome de frotagem.

De volta à sala, peça que escolham uma das frotagens coletadas no passeio, façam um desenho de contorno (silhueta) sobre ela e recortem esse formato para compor um painel coletivo sobre a instituição, a partir de como perceberam as suas texturas. Cole as folhas de papel pardo e fixe o painel na parede. Peça que um deles comece, escolhendo um lugar do painel para depositar a sua gravura, a partir da qual os outros estudarão o melhor lugar para colocar as suas. Quando terminarem, proponha que deem um nome ao painel e o fotografem.

Hora de avaliar

Reúna os adolescentes e jovens, em círculo, para avaliarem a atividade. Como foi o processo de transferir a textura dos objetos para o papel? Foi fácil? Difícil? Foi prazeroso? O que acham que as texturas revelam sobre a instituição? Houve pontos em comum entre os diferentes trabalhos? Quais? Acham que a produção final deu uma ideia do que perceberam sobre a instituição, por meio das texturas?

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

A organização de uma oficina com pessoas interessadas, da comunidade. Nesse caso é importante que os vídeos sejam projetados para que elas possam visualizar as possibilidades de criação de objetos decorados ou mesmo de estampas de tecidos para vários fins.

Para saber mais

Frottage é uma palavra francesa que significa friccionar. É o nome dado a um método  de produção criativa desenvolvido por Max Ernst, artista gráfico, pintor e escultor alemão, em 1925. Aconteceu após o artista ter tido a ideia de colocar uma folha de papel no chão de madeira de seu ateliê e copiar a sua textura. Assim, acabou desenvolvendo a técnica de frottage.

No frottage, o artista utiliza um lápis ou outra ferramenta de desenho e faz uma “fricção” sobre uma superfície texturizada. O desenho resultante pode ser deixado como está, ou pode ser utilizado como base para aperfeiçoamento. Embora superficialmente similar à fricção em latão e a outras formas de “esfregar”, visando reproduzir um objeto já existente, a técnica do frottage difere por ser aleatória.  A técnica também é utilizada na arte postal.

Fonte de Referência

– Goiás (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Reorientação curricular do 1º ao 9º ano: sequências didáticas: convite à ação – Artes Visuais . Imprimindo Vivências : uma experiência com a gravura em sala de aula . (Fernanda Moraes Assis, Rogéria Eller, Kátia Rodrigues). Goiânia: 2010. . (Currículo em Debate, cad.6.2.1).

Gostou?

Acesse também a oficina “Aprendendo a estampar tecido”, deste banco.

Obs: Os links informados na oficina foram visitados em 21 de maio de 2015 às 17:00h.

Participe

Eu fiz assim…

Você já realizou esta oficina?
Nos comentários abaixo, conte para nós: o que deu certo? O que precisou ser modificado? O que foi ampliado? Ajude a plataforma a aprimorar o Banco de Oficinas!

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 4 comentário(s)

  •    Iliana Aparecida Gamba  em 
         Educação&Participação respondeu em 
  •    Ahmed  em 
  •    vinicius  em 
  •    Conceição Aparecida Viude  em 
         Educação&Participação respondeu em