Educação&Participação

Apropriação do uso da internet como ferramenta contemporânea.

Início

  • O que éO que é

    Visita virtual ao Museu do Mar São Francisco (SC).

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes e jovens.

  • MateriaisMateriais

    Computador com acesso à internet, data show; tutorial de visita.

  • EspaçoEspaço

    Na sala de informática.

  • DuraçãoDuração

    Aproximadamente 90min.

  • FinalidadeFinalidade

    Apropriar-se do uso dessa ferramenta contemporânea e fazer uso adequado da mesma.

  • ExpectativaExpectativa

    Aprender os procedimentos de uso da visita a museus virtuais; aprofundar algumas informações sobre a história das navegações.

Na prática

Como desenvolver?

Inicie a oficina, investigando quem já visitou um museu. Se alguém tiver tido essa experiência, peça para relatar para os colegas: que museu visitou? O que expunha esse museu? Onde fica? Tinha monitores orientando a visita? Aprendeu algumas coisas com ele? O quê? Gostou?

Pergunte que funções acham que tem essa instituição – o museu. Discuta um pouco esse assunto e esclareça que há propostas interessantes de museus que ultrapassam a simples guarda de objetos e informações antigas. Há museus interativos e com visitas monitoradas, nas quais se pode aprender bastante.

E um museu virtual, alguém já visitou? Se alguém tiver visitado, convide-o a partilhar sua experiência com o grupo. Verifique quantos já experimentaram fazer essa visita, navegando pela internet.

Que tal fazer uma experiência? Para começar, poderiam visitar o Museu Nacional do Mar, que fica em São Francisco do Sul, no estado de Santa Catarina e tem muita história interessante para contar. É uma visita agradável e fácil de realizar.

Apresente coletivamente para eles este site, no data show, e diga que primeiro terão uma visão panorâmica do museu, por dentro e por fora,  apresentada por você; posteriormente, eles irão explorá-lo, em duplas.

Enquanto o vídeo passear pelo museu, não interfira, por uns 8 minutos, para que tenham uma visão geral do mesmo, tanto interna quanto externamente. Oriente que nesse passeio coletivo, aproveitem para observar as flechas no chão para que, posteriormente, escolham as que desejarem seguir, nas duplas. Chame a atenção também para o menu à esquerda, na parte de baixo, que também guia o espectador para onde quiser ir, mais diretamente. Ele será útil na viagem que farão.

Quando perceber que já foi dada uma volta inteira por dentro e por fora do museu eque os estudantes já puderam perceber a sua localização e estrutura, pare a projeção.  Peça que formem as duplas e cada uma entrará num computador, para fazer sua própria viagem. Nessa viagem, deverão escolher dois lugares para se fixarem mais, observarem e registrarem o que têm de interessante para relatar para o grupo. Também poderão dar “um pulo” na cidade, seguindo as flechas de orientação, para ver como ela é……

Mostre o tutorial para eles, leiam juntos e , depois, relacione alguns sites num cartaz ou na lousa, para que possam realizar pesquisas complementares sobre o museu, se quiserem.

Museu Nacional do Mar

Blog do Museu Nacional do Mar

Wikipédia 

Histórico Museu Nacional do Mar

Deixe que naveguem por aproximadamente 45min. Abra então a roda para contarem as viagens que fizeram e o que encontraram de interessante. Registre.

Hora de avaliar
Terminada a oficina, forme a roda para a avaliação. Pergunte o que acharam da visita feita ao Museu do Mar. Que novidades ela trouxe? O que aprenderam? Gostaram? Foi fácil guiar a máquina? Ela os levou onde queriam? Que dificuldades tiveram? O que mudariam nos procedimentos que fizeram, numa próxima vez?

E se?

Se eles apresentarem dúvidas e é saudável que apresentem, visto que são muitas as informações veiculadas, veja se alguém da turma pode responder, esclareça o que puder e estimule-os a pesquisar por si próprios.

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

Os jovens poderão relacionar outros lugares atrativos para realizarem novas visitas virtuais, distribuindo-as entre si, com o compromisso de apresentar o que descobrirem ao coletivo, posteriormente.

Dentre os locais visitados, poderão escolher alguns para promover uma oficina de navegação a museus de diferentes naturezas, com as famílias. Podem também convidar alguns professores de Ciências, para o aprofundamento de determinados  conteúdos.

Para saber mais

Os museus, os centros culturais, os centros de ciência são espaços repletos de caráter cultural, caracterizados como espaços de educação não-formal. Assim, os visitantes desenvolvem com esses espaços um outro tipo de relação, diferente do da sala de aula. Eles estão livres para fazer escolhas de acordo com suas preferências e interesses.

No entanto, a dificuldade de acesso e a sacralização das coleções expostas nos museus, muitas vezes,  não permite a interação visitante –  obra.  Nesse sentido, os museus virtuais abrem novas possibilidades, desde o acesso imediato a tais coleções, como o estabelecimento de novas formas de interação e, consequentemente, de aprendizagem, o que é particularmente interessante para as crianças e os jovens de hoje, que buscam autoria em diferentes espaços.

O museu virtual, apesar de limitar a experiência sensorial do visitante, pois não tem uma estrutura física, possibilita outras formas de interatividade e acesso ao patrimônio público, possibilitando a dinamização do espaço de forma multidisciplinar e o diálogo com a coleção exposta.

Segundo Muchacho “ao tentar representar o real, cria-se uma nova realidade, paralela e coexistente com a primeira, que deve ser vista como uma nova visão, ou conjunto de novas visões, sobre o museu tradicional”.

Fontes de Referência

Sites:

Museu Nacional do Mar;

Revista Brasileira de Museus e Museologia.

Gostou?

Então, veja a oficina “Game Dom Casmurro”, deste banco.

 

Obs: Os links informados na oficina foram visitados em 15 de maio de 2015, às 16h15min.

Participe

Eu fiz assim…

Nesse espaço você pode postar suas impressões sobre o desenvolvimento das oficinas, dizendo-nos o que deu certo, o que precisou ser modificado, o que deu errado. Com isso, você nos ajuda a aperfeiçoar o banco, além de contribuir com sugestões para outros possíveis usuários.

Você pode participar de diferentes formas:

Deixe aqui um comentário sobre esta oficina

Envie um relato sobre a experiência em realizar esta oficina.
Escreva um texto relatando como foi o resultado, incluindo, se possível, imagens e vídeos, e mande para o e-mail  oficina@educacaoeparticipacao.org.br. Nossa equipe vai analisar e seu relato pode ser publicado neste site.

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)