Educação&Participação

Pesquisa de preços na comunidade, como exercício de direito e de cidadania.

Início

  • O que éO que é

    Pesquisa sobre o preço dos alimentos no território.

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes e jovens.

  • MateriaisMateriais

    Bloco de anotações, lápis ou caneta.

  • EspaçoEspaço

    Na sala de atividades e no território.

  • DuraçãoDuração

    Dois encontros de aproximadamente 1h30min.

  • FinalidadeFinalidade

    Compreender a pesquisa de preços como exercício de direito e de cidadania.

  • ExpectativaExpectativa

    Aprender a realizar levantamento de preços e a se apropriar dos procedimentos para tal.

Na prática

alimentos_creative_commons

Como desenvolver?

1º encontro: O convite à pesquisa.

Inicie perguntando quem faz as compras em casa, onde compram, se sabem o preço do quilo do feijão, do arroz e do café. Sabem? Que bom! Não sabem? O que acham de aprender?

Discuta os benefícios de praticarmos o levantamento de preços antes de consumirmos o que precisamos: além de conseguir comprar os bens pretendidos por preços mais baixos, acabamos fazendo pressão para baixar os que têm preços muito altos porque, com o tempo, eles acabam não sendo vendidos. Desta forma, fazemos o bem para nossa família e para a coletividade. Não é uma atitude interessante?

Faça, então, a proposta de realizarem uma pesquisa dos preços de alimentos no território, em grupos.

Cada grupo escolherá um conjunto de alimentos para fazer o levantamento em dois estabelecimentos e na feira. No caso dos laticínios e dos grãos, deverão ser pesquisadas três marcas para poderem fazer a comparação de preços das mesmas marcas, em diferentes estabelecimentos – ver anexo 1.

Em relação às frutas, aos legumes e às verduras, deverão ficar atentos para considerar os da mesma natureza. Por exemplo: no caso de frutas (maçã Fuji, gala etc.), de verdura (alface mimosa, romana etc.) ou legume (tomate cereja, caqui etc.) – ver anexo 2.

Chame a atenção para que fiquem atentos para anotar preços de produtos com a mesma quantidade, ou seja, combinar quilo com quilo, grama com grama, dúzia com dúzia etc.

Conjuntos de alimentos a serem pesquisados:

Laticínios: leite, margarina, queijo branco, iogurte e requeijão.
Grãos: feijão, arroz, milho, ervilha e lentilha.
Legumes: batata, cenoura, beterraba, tomate e mandioquinha.
Verduras: alface, almeirão, acelga, couve, salsinha.
Frutas: banana, laranja, maçã, abacaxi, mamão.

Organize as tabelas de registro com eles (veja anexos 1 e 2), faça um exemplo simulado, com duas ou três possibilidades, para entenderem como preenchê-las e distribua as tarefas dos grupos, conforme a escolha do conjunto de alimentos que fizerem.

Conversem sobre os procedimentos adequados de adentrarem os estabelecimentos e de como conduzir a pesquisa, sem fazer algazarra ou atrapalhar o fluxo de pessoas presentes. Peça que escrevam no caderno: Tarefa – Pesquisa de preços de alimentos, para apresentarem, caso sejam questionados sobre o que estão fazendo.

E se?

Para o caso de não ser suficiente, oriente para passarem o telefone da instituição, a fim de o estabelecimento entrar em contato.

Lembre-os também de observar se os produtos trazem, como pede a lei, informações claras sobre quantidade, características, peso, composição, qualidade, data de fabricação, prazo de validade e preço.
Marquem uma data, aproximadamente uns 15 dias após o primeiro encontro, para dar andamento à oficina.

2º encontro: Com os dados em mãos.
Na data combinada, organize os grupos e oriente o estudo das tabelas, com os dados coletados, da seguinte forma:

– Olhar cada produto e classificar os estabelecimentos por ordem de preços: 1º lugar, 2º lugar, 3º, em ordem crescente, dos preços mais baixos para os mais altos.

– Contar quantas vezes aparece o estabelecimento em 1º lugar, 2º lugar, 3º lugar.

– Organizar um cartaz com a relação dos produtos com preços mais baixos e os nomes dos respectivos estabelecimentos.

Depois de aproximadamente 45 minutos de estudo em grupo, inicie a socialização dos trabalhos e das informações a que chegaram, apresentando os cartazes de cada um, no coletivo, para discutirem os dados que eles revelam. Registrem as principais conclusões.

Hora de avaliar

Na roda final de avaliação, peça para partilharem com o grupo as dificuldades encontradas na realização da pesquisa e no estudo dos dados, as descobertas que fizeram, as aprendizagens realizadas. Foi difícil preencher as tabelas? O que foi difícil? Como foram recebidos nos estabelecimentos? Foi tranquilo passear pelas gôndolas dos mercados ou barracas de feira para anotar os preços? Houve algum problema em algum lugar? Onde foram mais bem recebidos?

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

Uma ampla pesquisa em jornais e na internet para comparar os preços com outros locais de venda. Para aprofundar a questão, podem convidar um professor de Matemática da escola ou um economista de alguma associação do bairro para conversarem a respeito.

Para saber mais

A pesquisa de preços é recomendada por especialistas econômicos, pois pode apontar diferenças boas no preço das mercadorias.

É importante trabalhar essa questão com crianças, adolescentes e jovens para que tenham uma formação de consumidores conscientes e responsáveis, capazes de reconhecer e planejar as relações de consumo e atuar de forma crítica, refletindo sobre seu papel e as consequências de suas escolhas, em âmbito individual e coletivo.

No âmbito individual, fazer pesquisa de preços constantemente, com o devido registro, ajuda a organizar o orçamento e a economizar, além de ser uma forma de controlar e saber o que se gasta. No âmbito coletivo, a atitude de procurar preços mais baixos, ajuda a estimular o estabelecimento de preços mais justos, pela ausência de procura dos produtos mais caros.

Todos os produtos devem trazer informações claras sobre quantidade, características, peso, composição, qualidade, data de fabricação, prazo de validade, preço e cuidados a serem observados no seu uso.

O consumidor pode fazer reclamações em relação a qualquer um desses aspectos. Assim, preços abusivos, má qualidade do produto, propaganda enganosa devem ser denunciados. As reclamações devem ser feitas diretamente aos órgãos de defesa do consumidor. Mas, primeiro, deve-se procurar resolver com o próprio fornecedor do produto.

No Brasil, todos os estados contam com órgãos de proteção ao consumidor, os conhecidos PROCONs – Programas de Orientação e Proteção ao Consumidor. O PROCON elabora, coordena e executa a política local de defesa do consumidor. São 27 órgãos estaduais no Brasil (um para cada Unidade da Federação), além dos municipais.

Ele busca a harmonização das relações de consumo para a melhoria da qualidade de vida da população, bem como facilitar o exercício da cidadania. Para buscar o PROCON de seu estado ou município, acesse o Portal do Consumidor.

Exercer o poder de compra, com escolhas mais conscientes, responsáveis e baseadas na real necessidade é ato de cidadania. Além disso, algumas horas de pesquisa podem significar a economia de muitos dias de trabalho.

Gostou?

Acesse também a oficina “A comunidade que queremos”, deste banco.

 

Anexo 1 : exemplo de tabela a ser feita para laticínios e grãos

Laticínios                 Preços

a. leite (litro/grama)    loja 1   loja 2     feira
marca ……………..          …….     ………      ………
marca ……………..           …….     ……..      ………
marca ……………..           ……..    ……..       ……..

b. margarina
marca …………………       ……..    ……..       ……..
marca ……………. .         …….      ……..       ……..
marca ……………..          ……..     ……..       ……..

c. queijo branco

marca …………….          ……..     ……..       ……..
marca……………..            …….. .  …….       ……..
marca …………….           ……..    ……..       ……..

 

d. iogurte
marca ……………..        ……..      ……..      ……..
marca ………………        ……..     ……..      ……..
marca …….. ………        ……..     ……..       ……..

e. requeijão

marca ……………..          ……..     ……..      ……..

marca ………………        ……..      ……..      ……..
marca …….. ……..       . ……..      ……..      ……..

 

Anexo 2: exemplo de tabela a ser feita para legumes, verduras e frutas

Legumes/verduras/frutas    Preços

tipo (Kg /maço/dúzia)             Loja 1 loja 2    feira

a. batata ………………                 ………. ……….    ………

b. cenoura ……………..               ……..  ………      ………

c. beterraba ……………..              ……..  ………     ………

d. tomate ……………….                ……….  ……….   ………

e. mandioquinha ……………….     ………. ………    ………

 

Obs: Os links informados na oficina foram visitados em 07 de julho de 2015 às 12h35min.

Participe

Eu fiz assim…

Você já realizou esta oficina?
Nos comentários abaixo, conte para nós: o que deu certo? O que precisou ser modificado? O que foi ampliado? Ajude a plataforma a aprimorar o Banco de Oficinas!

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)