Educação&Participação

Exercício para projetar sonhos, estimar os custos desses sonhos e planejar formas de realizá-los.

Início

  • O que éO que é

    Exercício para projetar sonhos, estimar os custos desses sonhos e planejar formas de realizá-los.

  • PúblicoPúblico

    Adolescentes e jovens.

  • MateriaisMateriais

    internet, planilha do anexo 1 e folhas de papel pardo.

  • EspaçoEspaço

    Na sala de atividades e na sala de informática.

  • DuraçãoDuração

    Dois encontros de 1h30 (uma hora e trinta minutos) cada.

  • FinalidadeFinalidade

    Ser capaz de elaborar projetos para o futuro e planejar e formas de viabilizá-los.

  • ExpectativaExpectativa

    Aprender a postergar os desejos imediatos, em benefício de um projeto de vida.

Na prática

Primeiro encontro: Identificando os próprios sonhos

Receba os estudantes com as paredes do espaço decoradas por imagens de adolescentes e jovens, com balões de HQ recheados de sonhos e desejos como os seguintes: “quero fazer a universidade”, “quero falar uma língua estrangeira com fluência”, “quero conhecer outros países e pessoas”, “quero ter um bom emprego”, “quero ter uma família”, “quero ter meu próprio lugarzinho para morar” e também balões recheados de pontos de interrogação… Repare na reação deles, ao se deparar com as imagens, mas não se manifeste. Deixe que entrem no clima de sonhos.

Em roda, começando a oficina, pergunte o que acharam das figuras, o que pensam que elas significam. Bem, os jovens ali estão pensando em algo, em que será? Promova uma rodada para que se expressem. Certamente, eles farão referência a que os jovens estão pensando em seus desejos para o futuro.

Quem não os tem?

E eles, quais são os seus sonhos?

O que desejam para si?

Dê um bom tempo para que se expressem a respeito.

Fale também sobre seus sonhos. É importante que eles percebam que todo ser humano sonha; que há sonhos parecidos e sonhos diferentes e que os sonhos mudam ao longo da vida, em função da experiência, da história e da maturidade de cada pessoa. Depois que todos tiverem se manifestado, questione:

Como pensam em realizar tais sonhos?

Já pensaram nisso?

Deixe que falem livremente e observe se manifestam alguma iniciativa de planejar ações na direção de concretizá-los.

Será que eles têm noção do caminho a percorrer para alcançá-los?

Será que já imaginaram por onde começar?

Eles conseguem separar os sonhos de realização imediata com os de realização a longo prazo ou colocam tudo no mesmo saco?

Proponha que façam a experiência de registrar seus sonhos e encará-los. Distribua a planilha do Anexo 1 para o registro e peça que relacionem os seus  sonhos no QUADRO 1: Meus sonhos

Em seguida, proponha que observem bem cada um deles e tente identificar quais são os sonhos de realização a curto, a médio e a longo prazo e os relacionem nas colunas do QUADRO 2: Classificação dos sonhos Para facilitar o exercício, proponha um padrão:

  • curto prazo – até 1 ano pra realizar;
  • médio prazo – de 1 a 5 anos e
  • longo prazo – acima de 5 anos.

A seguir, abra a roda para socializarem os sonhos e os tempos estimados para a sua realização. Comece pelos de realização a curto prazo.  Dê um tempo para que discutam em que concordam e em que discordam e continue com a socialização dos sonhos de realização a médio prazo e, por fim, dos de longo prazo.

E se?

Se houver manifestações negativas, de ironia ou de depreciação em relação aos sonhos de colegas, interfira dizendo que sonhos não são passíveis de julgamento; todos têm direito a sonhar o que quiserem e os sonhos pessoais merecem respeito. Mas, também ressalte que é importante refletirmos sobre eles, considerando as diferentes críticas que nos apresentam, desde que construtivas e respeitosas, pois isso nos ajuda a manter o pé no chão e a pensar melhor nas formas de concretizá-los.

Enquanto forem falando, registre num cartaz os sonhos da turma de realização a curto prazo; num outro, os de médio prazo e num terceiro, os de longo prazo. Finalizada a socialização,  seria interessante que olhassem os cartazes  de cada categoria (curto, médio e longo prazo), para identificar as possíveis semelhanças entre eles, quais os sonhos mais comuns e o que isso significa, o que os aproxima em relação aos sonhos.

Segundo encontro:  Quanto custam meus sonhos?

Neste encontro, os adolescentes e jovens irão realizar pesquisas na internet para obterem informações sobre o custo financeiro do que projetaram como sonhos para o futuro próximo e para o remoto.

Eles deverão escolher um dos sonhos que registraram como realização a curto prazo, a médio prazo e a longo prazo e anotarem nas respectivas planilhas.

Peça que se organizem em duplas, a partir das semelhanças de alguns sonhos manifestados. Cada dupla irá pesquisar informações aproximadas dos custos para realizar os sonhos de cada um.

Por exemplo, quanto custa o desejado curso de fotografia (sonho de realização a curto prazo), a viagem sonhada a outro estado do país (médio prazo), ou o curso universitário, no futuro (longo prazo)?  Vários sites deverão ser consultados para que tenham uma visão da média dos custos dos objetos ou dos serviços que procuram.

No caso de cursos de fotografia, por exemplo, oriente-os a dar preferência aos sites de institutos e ONGs, sem fins lucrativos, aos da prefeitura da cidade e de escolas específicas que ofertam cursos a preços simbólicos.

Em relação a viagens, devem consultar diferentes agências, especialmente as especializadas em oferecer serviços de mais baixo custo, garantindo não luxo, mas segurança e conforto, como a Decolar.com  ou os albergues da juventude, da Federação Brasileira de Albergues, que oferecem baixos custos para os jovens poderem viajar. Para isso, devem associar-se e fazer carteirinha de identificação na Federação.

No caso dos cursos universitários, é importante considerar que há os públicos e os privados. Os primeiros, públicos, não cobram mensalidade, mas têm alguns custos – livros, transporte e, às vezes, alimentação (se a carga horária for extensa ou o estudante precisar emendar trabalho e estudo). Além disso, são bastante concorridos, o que implica muito estudo e dedicação durante a vida escolar.

Já os cursos privados, além dos custos acima citados, têm o custo da mensalidade. É oportuno e importante lembrar que no ensino privado, os estudantes podem recorrer ao FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), programa de financiamento do Ministério da Educação para estudantes do curso superior, a ser ressarcido, depois do término dos estudos. Há também o PROUNI, programa do Ministério da Educação que concede bolsas de estudo integrais e parciais de 50% em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica.

Os estudantes deverão fazer uma busca geral dos preços das mensalidades praticados por diferentes universidades, dos custos de alimentação (quanto custa um lanche, em média?) e de transporte (quantas passagens seriam necessárias para ir à faculdade que deseja?).

Os dados pesquisados sobre os custos dos sonhos de realização em curto, médio e longo prazo, deverão ser registrados no QUADRO 3: Planejamento das ações.

Após 50 minutos, abra a roda para as duplas socializarem os resultados encontrados. Para sistematizar, use os três  cartazes feitos no primeiro encontro ( sonhos de realização a curto, médio e longo prazo). Em cada um, junte os sonhos parecidos (bens, serviços) e registre os diferentes custos encontrados pelas duplas. Organizados os cartazes, proponha uma leitura conjunta deles e conduza, depois, a reflexão, cartaz por cartaz, para realizarem comparações entre as diferentes ofertas e custos.

Em seguida, proponha que levantem hipóteses plausíveis para a obtenção dos recursos necessários para os diferentes sonhos: de realização a curto, médio e longo prazo. Escreva na lousa. A seguir, eles deverão considerar as várias possibilidades levantadas e escolher algumas que acreditam ser melhor como encaminhamento para o seu caso, registrando na sua ficha.

Hora de Avaliar

Finalizada a atividade, peça que façam uma rodada de avaliação:

Acharam os exercícios produtivos, interessantes?

Descobriram algo que não sabiam antes?

As pesquisas ajudaram a aproximar mais os sonhos?

Encontrou dificuldade em aceitar o sonho dos outros?

Aproveite este momento para insistir no papel da tolerância em relação à diversidade.

E quanto ao trabalho das duplas:

Os integrantes se entenderam?

Como realizaram o trabalho juntos?

Ainda em relação ao tema, gostariam de se  aprofundar sobre o assunto?

Quais as sugestões para tal?

Para ampliar

O que mais poderá ser feito?

Os jovens poderão convidar alguns professores, para discutirem com eles o ensino universitário público e privado: custos, condições de acesso, bolsas de estudo e financiamento.

Essas informações constituem elementos importantes de sustentação do planejamento de seus projetos de estudos futuros.

Fonte de Referência

Domingos, Reinaldo. Terapia Financeira – “Realize seus sonhos com educação financeira” – São Paulo: DSOP Educação Financeira, 2011.

Para saber mais

Uma das razões que muitas vezes impedem as pessoas de realizarem seus sonhos é não saber exatamente quanto eles custam.

Às vezes, por imaginá-los muito caros, acima das possibilidades financeiras, nem tentam torná-los reais. O sonho acaba virando frustração.

Nossos sonhos são importantes porque representam como  gostaríamos que fosse nossa vida.

Por isso, devem ser prioridade e merecem nosso respeito e dedicação.

A pergunta que devemos nos fazer é: como posso me organizar e adequar meu padrão de vida e de consumo para garantir a realização de meus sonhos?

O primeiro passo é encarar a realidade: identificar os sonhos e buscar informações sobre os custos e as condições de acesso, projetando as possibilidades.

De posse das informações, é possível avaliar, aí sim, se eles são fora de propósito (e, nesse caso, devem ser transformados ou substituídos) ou se, com persistência, tempo e esforço podemos chegar lá.

As informações são preciosas para podermos dimensionar o tempo de concretizá-lo (maior ou menor) e os esforços necessários (mais trabalho ou abnegação) para concretizá-lo, pois nem sempre temos condições de realizar nossos sonhos somente com sobras do orçamento.

Gostou?

Veja também a oficina “O trabalho, o dinheiro e o sustento da vida”, deste banco.

Participe

Eu fiz assim…

Você já realizou esta oficina?
Nos comentários abaixo, conte para nós: o que deu certo? O que precisou ser modificado? O que foi ampliado? Ajude a plataforma a aprimorar o Banco de Oficinas!

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)