ONGs Participantes do Prêmio Itaú-Unicef

Contação de histórias de raízes culturais.

Início

  • O que éO que é

    Contação de histórias de raízes culturais, com desdobramento em jogos e brincadeiras.

  • PúblicoPúblico

    Crianças.

  • MateriaisMateriais

    Livro de histórias, de lendas, folhas de sulfite ou craft, lápis de cor, canetas coloridas, giz de cera.

  • EspaçoEspaço

    Ambientes externos. A oficina foi inicialmente proposta no Projeto Escola Ecológica: Brincarte, da Fundação Terra Mirim. Ela aconteceu no espaço externo da Escola Ecológica e na área verde comunitária da fundação.

  • DuraçãoDuração

    Um encontro de aproximadamente 45 minutos, que pode ser estendido até 3 horas, considerando todas as atividades envolvidas.

Na prática

raizes_culturais

Ações e Dinâmicas
O tema da oficina são as raízes culturais locais. Em um encontro lúdico e descontraído, com contação de histórias, por um convidado, as crianças podem obter novas perspectivas sobre seus costumes, as lendas, o misticismo e sua cultura ancestral.

O objetivo é fortalecer as raízes culturais para que se tornem facilitadoras do desenvolvimento saudável da identidade individual e comunitária, tocando princípios e valores essenciais para uma cultura humana de paz, solidariedade e prosperidade.

Ao facilitar a compreensão e a expressão das crianças e adolescentes, eles são preparados para a autônoma compreensão do contexto sociopolítico e histórico em que estão envolvidos, como participantes de comunidades populares, tradicionais ou quilombolas.

Para a ação original do Projeto Escola Ecológica: Brincarte, foi convidada Iray Galrão, professora e escritora de livros como Lendas africanas e o recente Bia, a nuvem que não queria chover. O foco foi especialmente a cultura afro-brasileira. Com as histórias, as crianças também puderam perceber suas descobertas diárias pela perspectiva dos elementos da natureza, como as questões de identidade da nuvem, Bia.

As crianças são recebidas pela equipe de educadores com música (cantiga de roda, samba de roda, música popular e outras) e roda de conversa, para as primeiras apresentações, combinações sobre a vivência, expressão das crianças e incitação à participação e curiosidade. No Brincarte, essa ação aconteceu na quadra coberta da Escola Ecológica Terra Mirim.

Em seguida, é a vez da contação de história, que é assumida pelo convidado ou convidada. No Brincarte, essa fase também ocorreu na quadra externa. Após a história, as crianças podem escolher desenhar – com caneta colorida, lápis de cor e giz de cera –, escrever um texto ou um poema, fazer uma paródia ou outras criações com base no material disponível.

Depois é hora de seguir brincando em visita a uma área externa. A área verde comunitária da fundação foi a escolhida no Brincarte.  Por fim, é a hora do lanche e da última roda para avaliar o encontro: saber se as crianças gostaram, do que mais gostaram e se querem dizer mais alguma coisa.


Participação das crianças e/ou adolescentes
Os momentos de contação de história são muito estimados pelas crianças. Elas se envolvem completamente, prestam atenção em silêncio, que é apenas interrompido por reações espontâneas às histórias. Ao término da história, elas podem se expressar livremente e partilhar com os outros suas impressões e questões. Os combinados são criados nos primeiros encontros com cada grupo. Eles são elaborados, a depender da idade, com maior ou menor participação das(os) educadoras(es).

Basicamente, deve haver alguns princípios básicos de convivência comunitária, de cuidado consigo mesmo, com o outro e com o ambiente, que devem ser apresentados para o grupo, o qual é questionado se concorda em participar dos encontros, adicionando-se sugestões e adaptações específicas que possam existir, definindo-se responsabilidades e liberdades de cada um. Sempre que for necessário, retorna-se aos pactos/combinados iniciais para solucionar questões cotidianas.

Aprendizagens que a oficina propicia às crianças e/ou adolescentes
A atividade é caracterizada por seu caráter lúdico e descontraído que, por meio de brincadeiras, cantigas e contação de histórias, busca resgatar brincadeiras infantis coletivas que estão se perdendo no tempo e facilitar a convivência saudável.

Outro objetivo é ajudar as crianças a perceberem princípios essenciais da convivência pacífica, a partilhar responsabilidades e despertar noções de cuidado consigo, com os companheiros e com o meio ambiente, contribuindo com o desenvolvimento afetivo e cognitivo dos educandos.

Além das reflexões da contação de história específica, a descontração do ambiente de brincadeiras facilita a participação e a socialização dos envolvidos nas atividades, o que é ampliado para outros ambientes de convivência, especialmente escola e família.

Organização autora da oficina
Oficina de jogos e brincadeiras e de arte e cultura proposta pelo Projeto Escola Ecológica: Brincarte, da Fundação Terra Mirim – Centro de Luz, de Simões Filho (BA), inscrita na 10ª edição do Prêmio Itaú-Unicef.

Gostou?
Então, acesse também a oficina “Livro de lendas e mitos do nosso folclore”.

Participe

Eu fiz assim…

 

Nesse espaço você pode postar suas impressões sobre o desenvolvimento das oficinas, dizendo-nos o que deu certo, o que precisou ser modificado, o que deu errado. Com isso, você nos ajuda a aperfeiçoar o banco, além de contribuir com sugestões para outros possíveis usuários.

 

Você pode participar de diferentes formas:

Envie um relato sobre a experiência em realizar esta oficina.
Escreva um texto relatando como foi o resultado, incluindo, se possível, imagens e vídeos, e mande para o e-mail  oficina@educacaoeparticipacao.org.br. Nossa equipe vai analisar e seu relato pode ser publicado neste site.

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)