Educação&Participação

Experiência de desenvolvimento de um projeto conjunto com outra instituição do território.

Início

  • O que éO que é

    Experiência de desenvolvimento de um projeto conjunto com outra instituição do território.

  • PúblicoPúblico

    Crianças e adolescentes.

  • MateriaisMateriais

    Folhetos com programa de atendimento da UBS,, pano e tinta para confecção de faixas, bloco de anotações e canetas ou lápis, cavaletes para montar barracas, vídeos educativos de prevenção de doenças.

  • EspaçoEspaço

    Na organização, na UBS e no território.

  • DuraçãoDuração

    Dois encontros de aproximadamente 90 min. cada.

  • FinalidadeFinalidade

    Aprender a se articular a outras pessoas e instituições para conquistar o bem comum.

  • ExpectativaExpectativa

    Exercitar a aproximação com equipamentos públicos do bairro, tanto para conhecer os serviços oferecidos por eles, como para desenvolver ações conjuntas.

Na prática

07467d02e0a6ea7dbb1f6cad08a123132304555dfb84f01a6cdd95b7a2b3a0ff6g

Como desenvolver?

Num primeiro momento, você e algum coordenador da ONG/escola deverão entrar em contato com a coordenação da UBS, indicando o interesse em aproximar as crianças, os adolescentes e a organização dos serviços oferecidos por ela e, ao mesmo tempo, iniciar uma parceria de divulgação desses serviços pela comunidade.
Informem-se sobre os programas existentes na UBS, principalmente os de prevenção, como vacinação e combate à dengue; programas de atendimento à família e programas específicos para adolescentes, como rodas de conversa e orientação sobre sexualidade e doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).
Investiguem as possibilidades de um trabalho conjunto, discutam o que seria mais oportuno oferecer para as crianças e os adolescentes e combinem uma visita, durante a qual eles poderiam conhecer as dependências físicas da UBS e fazer uma entrevista com um profissional mais adequado no trato com crianças e adolescentes, para conhecer os serviços prestados.
Primeiro encontro – O preparo.
Uma vez feitos alguns combinados com a Unidade Básica de Saúde (UBS), faça uma rodada com o seu grupo para saber o conhecimento e a familiaridade que ele tem com a instituição, se todos já estiveram lá alguma vez e por qual motivo.
Sabem o que significa uma Unidade Básica de Saúde (UBS), o que ela faz? Será que o que ela faz é importante?
Depois de terem se expressado a respeito, convide-os para conhecer melhor uma UBS e o trabalho que é realizado lá, por meio de visita às suas dependências e de uma entrevista agendada com um profissional escalado pela instituição.
Proponha que organizem a entrevista, relacionando as perguntas que querem fazer para conhecê-la melhor e as dúvidas que têm quanto aos serviços e atendimento que oferece para a comunidade. Preparem a saída, fazendo os combinados necessários (quem pergunta, quem registra, quem fotografa, quem agradece etc). Para isso, você pode consultar a oficina “Uma expedição pelo território”, deste banco.
E se?
Se não houver atividade de orientação para adolescentes, esses deverão propor que a Unidade Básica de Saúde as implemente e que indique onde poderão ter acesso a elas, enquanto ali não houver.

Segundo encontro: A visita.

Na UBS, as crianças e os adolescentes serão recebidos pelo profissional já definido anteriormente, conforme o combinado, que falará sobre a atuação da instituição, levará a turma para visitar as suas dependências e dará a entrevista planejada.

Ao final, juntos, discutirão quais as campanhas e atividades oferecidas pela instituição que mais demandam divulgação e mobilização junto à comunidade e como planejar uma ação conjunta, tendo tais campanhas e atividades como foco.

Que tal desencadear a parceria ONG/escola e UBS pelo Dia de Mutirão da Saúde, nas ruas do bairro?

Seria um dia dedicado a sensibilizar, informar e mobilizar as pessoas para cuidar de sua saúde e da de sua família.

O grupo poderá confeccionar faixas de divulgação do evento para colocar em locais de passagem das pessoas no bairro e percorrer as salas das outras turmas da ONG/escola, convidando-as para participar.

Cabe organizarem, com a UBS, barracas para serem realizadas palestras- relâmpago e projeção de vídeos, ensinando a população a prevenir as doenças mais usuais na região, além de divulgar os serviços prestados por ela e a agenda de atendimento ao público.

A partir daí, é interessante que as crianças se engajem em alguma campanha mais perene de prevenção de doenças e que os adolescentes promovam, junto aos outros adolescentes do bairro, as atividades destinadas especificamente para sua faixa etária.

Planeje com as crianças e a UBS como desenvolver a campanha que abraçaram: que doença é essa que tem atingido a população local? Por quê? Como se evita? Que medidas tomar?

Oriente uma pesquisa coletiva e em grupos para encontrarem respostas a essas perguntas, discutam essas respostas com os profissionais da UBS em uma reunião, selecionando com eles, o que é mais relevante para ser comunicado à população. Se você atuar em escola, envolva os professores de Ciências e de Língua Portuguesa.

Leve folhetos diversos da própria UBS, da biblioteca, da ONG, da escola, de alguma clínica, dentre outros, para o grupo entender a função social desse gênero textual (folheto) e produzir um, com as informações que querem passar sobre os procedimentos importantes para se evitar a referida doença, sempre com a sua supervisão e a de um profissional da UBS.

É preciso reproduzir o folheto em escala para ser distribuído às outras turmas da ONG/escola, às famílias, aos vizinhos e casas de comércio.

Estimule-os a fazer sua matrícula na UBS, cuidar das suas carteiras de vacinação, além de promover formas de prevenção das doenças em suas próprias casas e na instituição.

Já os adolescentes, de posse de informações mais precisas sobre o atendimento existente para essa faixa etária, com sua ajuda, organizarão visitas às escolas da região para divulgar os serviços disponíveis e os horários da semana em que ocorrem, afixando cartazes em locais visíveis para os jovens.

Também eles poderão elaborar folhetos de divulgação, sob sua orientação, seguindo os mesmos passos que os da campanha de prevenção.

A partir dessas ações, educadores, crianças, adolescentes e profissionais da UBS poderão produzir em conjunto um pequeno boletim bimestral, dando notícias sistemáticas à comunidade dos resultados obtidos com as ações da parceria como, por exemplo, se o número de atendimentos aumentou ou se houve redução da incidência da doença no bairro.

Hora de avaliar.
Depois da divulgação das atividades da UBS na comunidade, reúna as crianças e os adolescentes e, numa roda de conversa, avaliem como foi o processo vivido, tanto para eles, que estavam envolvidos na divulgação, quanto para as pessoas que receberam as informações.
Foi uma atividade prazerosa? Foi produtiva? O que deu mais satisfação? O que foi ruim? O que sugerem para um próximo trabalho?Combine com eles de marcarem uma reunião com o pessoal da UBS para obter retorno da procura da instituição pela comunidade, fazerem uma avaliação conjunta e planejar os futuros passos da parceria.

Para ampliar

O que mais pode ser feito?

Outras articulações entre ONG/escola e instituições do território são possíveis e desejáveis.

Assim, propostas de ações conjuntas podem ser realizadas com a biblioteca municipal próxima, com o CRAS, com o centro desportivo ou com o ponto de cultura ou centro cultural eventualmente existente na região.

A rádio local e a imprensa escrita também podem ser chamadas para a parceria, abrindo espaço, em suas programações, para a participação das crianças e adolescentes na divulgação das produções e projetos desenvolvidos por elas, em suas ONGs/escolas ou em parceria com outras instituições.

Para saber mais

Circular pelo bairro, conhecer os equipamentos sociais nele existentes e os serviços por eles oferecidos é condição de cidadania a ser conquistada pelas novas gerações.

Apropriar-se do território de vivência, conseguir identificar suas potencialidades e fragilidades, ter contato e aprender a interagir com grupos sociais variados e seus respectivos discursos, desenvolve o sentimento de pertencimento, um olhar crítico e amplia a visão de mundo.

Além disso, contribui para que as crianças e adolescentes alcancem níveis mais complexos de letramento.

Desta forma, cabe aos educadores envolvidos com essas faixas etárias, planejar e promover oportunidades que estimulem a circulação das crianças e dos adolescentes pelo território, tanto próximo como distante, para que ampliem e apurem o seu olhar sobre a cidade onde vivem seu cotidiano.

Para isso, é importante que a própria organização se abra para se articular a outras organizações do território, estimulando e apoiando o planejamento e o desenvolvimento de atividades conjuntas.

As unidades de atendimento da Saúde (UBS, centros de saúde); da Cultura (bibliotecas, centros culturais, pontos de cultura); da Educação (escolas de ensino infantil, fundamental, médio e superior); do Esporte (quadras comunitárias e centros desportivos) e do Meio Ambiente (parques, reservas florestais) são exemplos ótimos para o estabelecimento de parcerias, pois todas elas têm interface com a educação, na medida em que sua função social carrega em si forte componente educativo.

Fonte de Referência:

CENPEC.  Escola, família e comunidade – ações em rede. (Antonio Sérgio Gonçalves; Maria José Reginato; Marilda F.R. Moraes). São Paulo. 2010. Disponível em:

http://memoria.cenpec.org.br/uploads/F3635_190-05-00009%20Acoes%20em%20rede-Escola%2Cfamilia%2Ccomunidade.pdf

Gostou?

Veja então a oficina  “As vacinas e a prevenção de doenças infectocontagiosas”, deste banco de oficinas.

 

 

Participe

Eu fiz assim…

 

Nesse espaço você pode postar suas impressões sobre o desenvolvimento das oficinas, dizendo-nos o que deu certo, o que precisou ser modificado, o que deu errado. Com isso, você nos ajuda a aperfeiçoar o banco, além de contribuir com sugestões para outros possíveis usuários.

 

Você pode participar de diferentes formas:

Envie um relato sobre a experiência em realizar esta oficina.

Escreva um texto relatando como foi o resultado, incluindo, se possível, imagens e vídeos, e mande para o e-mail  oficina@educacaoeparticipacao.org.br.

Nossa equipe vai analisar e seu relato pode ser publicado neste site.

 

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 0 comentário(s)