Voltar
Temáticas da educação integral

Investigação cartográfica na educação integral

Você sabe o que é cartografia? Em que áreas ela pode ser usada?
Que relações tem com a Educação?

Para boa parte das pessoas, falar de cartografia é falar de mapa. No entanto, o uso da cartografia tem se disseminado em muitas áreas – como Psicologia, Comunicação, Música, Ciências Sociais, Política, Artes etc. – e em estudos sobre subjetividades e identidades, movimentos culturais, relações econômicas, sistemas jurídicos, projetos sociais e uma infinidade de outros temas.

A Educação também pode se apropriar e se beneficiar da cartografia, que tem sido estratégica em projetos que trabalham sob a perspectiva da educação integral. Saiba mais sobre cartografia e suas potencialidades no material a seguir.

Seta para baixo

Introdução

MALTE-BRUN(1856)_1.024_PLANISPHERE_-_LE_MONDE
Planisfério de 1856. Cartografia de Malte-Brun.

Segundo Peter van der Krogt (2015), pesquisador da Universidade de Amsterdã, a palavra “cartografia” é uma combinação das gregas chartès (imagem e texto aplicados a uma folha) e graphein (descrever).

No entanto, apesar de chartès ter originado a maioria das palavras para designar mapas nas línguas europeias, “cartografia” é um termo recente: há fortes indicações de que foi inventado apenas em 1808 pelo geógrafo francês Conrad Malte-Brun.

Seja como for, a relação entre cartografia, Geografia, mapa e espaço físico é direta. Em 2003, a Associação Cartográfica Internacional (ACI) atualizou o conceito e definiu Cartografia como “uma maneira única para a criação e manipulação de representações visuais ou virtuais do geoespaço – mapas – com vista a permitir a exploração, análise, compreensão e comunicação da informação sobre aquele espaço”.

 

 O mapa e seus novos sentidos

Cartografía-de-la-memoria1
Cartografia Memorial da Cidade de Bogotá

O conceito de mapa, no entanto, pode ser flexibilizado para ir além do espaço físico, ou geoespaço. É o que demonstra Ana Betânia de Souza Pimentel Martins, mestre em Preservação do Patrimônio Cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Martins (2015) informa que o conceito tradicional de mapa é uma representação gráfica da superfície terrestre segundo parâmetros matemáticos, e que deve apresentar três princípios essenciais: (1) escala; (2) projeção; e (3) simbolização. Entretanto, ela flexibiliza o conceito “para incluir diversas escalas de trabalho e diferentes formas de construção dessas imagens, que podem ser estudadas por diferentes áreas, podendo representar uma série de outras informações e ser um instrumento de comunicação”.

Cartografia Social
Cartografia Sobre Contaminação Ambiental. Autoria de Jairo Restrepo.

A especialista ainda esclarece que, ao longo da História, os mapas foram utilizados como guias para localização e acesso a recursos naturais, criação e manutenção da ideia de Estado-nação, preservação do patrimônio cultural e para outros fins políticos, como resolver disputas e legitimar o domínio sobre territórios, reforçando conceitos como nação e comunidade. Por isso, para Ana Betânia, o mapa é também um produtor de conhecimentos.

Se os mapas e, por extensão, a Cartografia têm se prestado a papéis tão diversos, não é de admirar que a ideia de investigação cartográfica tenha penetrado outras áreas do conhecimento e ampliado seus significados.

Captura de Tela 2016-09-01 às 17.55.46
Cartografia que ilustra desintegração da Europa a partir de caricaturas das nações e as tensões políticas entre elas. Parte da coleção ‘Persuasive Maps’.
google maps palestina
Em 2016, Google é acusado de eliminar a localização da Palestina dos seus mapas online.

.

Referências bibliográficas

 

Clique aqui para visualizar

 

AGUIAR, Lisiane M. As potencialidades do pensamento geográfico: a cartografia de Deleuze e Guattari como método de pesquisa processual. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Caxias do Sul (RS): Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2-6 set. 2010. Disponível em: <http://geografias.net.br/papers/12_LisianeAguiar.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Territórios educativos para a educação integral: a reinvenção pedagógica dos espaços e tempos da escola e da cidade. Brasília: MEC, 2010. (Série Mais Educação). Versão preliminar. Disponível em: <http://bit.ly/1TsExwb>. Acesso em: 25 ago. 2016.

CABRAL, Cléber A.; BORGES, Diogo C. Rizoma: uma introdução aos Mil Platôs de Deleuze e Guattari. Revista Critério, v. 1, n. 4, 2005. Disponível em: <http://bit.ly/2c3k15h>. Acesso em 26 ago. 2016.

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA (CENPEC). Cartografia: uma metodologia para a ação com juventude. São Paulo: Cenpec, [s.d.]. Apresentação em slides.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995 (Coleção Trans). Disponível em: <http://escolanomade.org/wp-content/downloads/deleuze-guattari-mil-platos-vol1.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2016.

EPS EM MOVIMENTO. O Diário Cartográfico. 2014. Disponível em: <http://eps.otics.org/material/entrada-apresentacao/arquivos-em-pdf/diario-cartografico>. Acesso em: 26 ago. 2016.

FERNANDES, Cíntia S.; HERSCHMANN, Micael. Usos da cartografia nos estudos de comunicação e música. Fronteiras – estudos midiáticos, São Leopoldo (RS), v. 17, n. 3, p. 290-301, set./dez. 2015. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/viewFile/fem.2015.173.03/4989>. Acesso em: 26 ago. 2016.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL; CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA (CENPEC). Guia Políticas de Educação Integral. Disponível em: <https://guia.educacaoeparticipacao.org.br/>. Acesso em: 26 ago. 2016.

______. Jovens Urbanos: marcos conceituais e metodológicos. São Paulo: Fundação Itaú Social, 2013.

______. Jovens Urbanos: sistematização e formação. São Paulo: Fundação Itaú Social, 2016. Versão preliminar.

GOUVEIA, Maria Julia Azevedo. A cidade vista por cartografias. In: CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA (CENPEC). Cadernos Cenpec: educação e cidade, ano 1, n. 1 (primeiro semestre de 2006). Coordenação de Isa Maria F. Rosa Guará. São Paulo: Cenpec, 2005, p. 44-47.

______. Cartografia como instrumento da pedagogia social. In: I Congresso Internacional de Pedagogia Social. São Paulo: Faculdade de Educação – Universidade de São Paulo (USP), 2006.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Noções básicas de cartografia. Coordenação de Isabel de Fátima Teixeira Silva. Rio de Janeiro: IBGE, [s.d.]. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/manual_nocoes/indice.htm>. Acesso em: 25 ago. 2016.

INTERNATIONAL CARTOGRAPHIC ASSOCIATION (ICA). A strategic plan for the International Cartographic Association, 2003-2011: as adopted by the ICA General Assembly, 2003-08-16. Durban (África do Sul): ICA, 2003. Disponível em: <http://icaci.org/files/documents/reference_docs/ICA_Strategic_Plan_2003-2011.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2016.

KROGT, Peter van der. The origin of the word “cartography”. e-Perimetron, v. 10, n. 3, 2015, p. 124-142. Disponível em: <http://www.e-perimetron.org/Vol_10_3/Van_der_Krogt.pdf>. Acesso em: 24 ago. 2016.

MARTINS, Ana Betânia de S. P. Cartografia do patrimônio cultural: uma análise da cartografia no âmbito dos Inventários Nacionais do Iphan. 2015. 101 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Rio de Janeiro. Disponível em: <http://bit.ly/2bZ45Cy>. Acesso em: 25 ago. 2016.

NÚCLEO DE PESQUISA DO PROGRAMA JOVENS URBANOS. Cultura e subjetividade na juventude. In: CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA (CENPEC). Cadernos Cenpec: juventudes urbanas, ano 3, n. 5 (primeiro semestre de 2008). Coordenação de Isa Maria F. Rosa Guará. São Paulo: Cenpec, 2006, p. 45-59.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. Disponível em: <http://www.editorasulina.com.br/img/sumarios/473.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2016.

Rhizome. In: Encyclopaedia Britannica. Disponível em: <https://global.britannica.com/science/rhizome>. Acesso em: 26 ago. 2016.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989. Trechos disponíveis em: <http://www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/pensarvibratil.pdf>. Acesso em: 24 ago. 2016.

SANTOS, Milton. Território e dinheiro. In: Território, territórios. Niterói: Programa de Pós-Graduação em Geografia – PPGEO-UFF/AGB, 2002.

SANTOS, Wagner A. (Coord.). Jovens Urbanos: sistematização de uma metodologia. Iniciativa da Fundação Itaú Social. São Paulo: Cenpec, 2008.

SEEMANN, Jörn. Mapas, mapeamentos e a cartografia da realidade. Geografares, Vitória, n. 4, 2003. Disponível em: <http://bit.ly/2bHoUQW>. Acesso em: 26 ago. 2016.

Território. In: CENTRO DE REFERÊNCIAS EM EDUCAÇÃO INTEGRAL. Glossário. Disponível em: <http://educacaointegral.org.br/glossario/territorio/>. Acesso em: 25 ago. 2016.

Ficha técnica

Texto e conteúdo João Marinho de Lima Neto e Vanessa Nicolav
Vídeo e pesquisa de imagens Vanessa Nicolav
Orientação Lilian L’Abbate Kelian e Fernanda de Andrade Santos
Edição Marcia Coutinho R. Jimenez
Arte e design Thiago Luis de Jesus
Leitura crítica Lilian L’Abbate Kelian, Fernanda de Andrade Santos, Fernanda Fragoso Zanelli e Julio Neres
Fotos Reprodução, Copyleft e/ou cedidas pelos projetos e assessorias citados no material

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total de 3 comentário(s)

  •    Andréa  em 
         Educação&Participação respondeu em 
  •    Gislaine  em 
         Educação&Participação respondeu em 
  •    Maria Isabel Somme  em 
Iniciativa
Marca da Fundação Itaú Social
Coordenação Técnica
Marca da CENPEC